Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 30 de novembro de 2021

Mundo

Após tomada de Cabul pelo Talibã, governo afegão desmorona; diplomatas norte-americanos fecham embaixada e fogem

16 de Agosto de 2021 | 15h 02
Após tomada de Cabul pelo Talibã, governo afegão desmorona; diplomatas norte-americanos fecham embaixada e fogem
Foto: AFP

O Afeganistão está, uma vez mais, sob o domínio da milícia fundamentalista Talibã. De acordo com o jornal espanhol El País, os insurgentes cercaram a capital, Cabul, neste domingo (15), por todas as frentes, antes de entrarem na cidade. O grupo empreendeu uma ofensiva relâmpago, na qual conquistaram 30 das 34 capitais provinciais, no período de duas semanas, até tomarem mais de 90% do território do país da Ásia Central.

Pouco depois que a conquista de Jalalabad, capital da província de Nangarhar, localizada 150 quilômetros a leste de Cabul, próximo à fronteira com o Paquistão, foi anunciada, pela manhã, a milícia começou o cerco à capital. A saída do presidente Ashraf Ghani, horas depois, mostrou um governo em desintegração, um dia após insistir em "remobilizar" suas forças para impedir o avanço da milícia, que tem sido implacável desde que lançaram seus ataques, em maio, coincidindo com o início da retirada das tropas norte-americanas e suas aliadas.

Segundo o El País, em meio a esse cenário instável, o grande rival político de Ghani se tornou o principal negociador do governo afegão com o Talibã. Abdullah Abdullah confirmou a saída do presidente do território afegão, referindo-se ao chefe de Estado como "ex-presidente". O gabinete de Ghani se recusou revelar o paradeiro dele, "por razões de segurança", mas há rumores de que o mesmo foi para o Tajiquistão, com alguns colaboradores.

Pouco depois de partir, Ashraf Ghani garantiu que foi embora para evitar "um derramamento de sangue em Cabul". Em mensagem publicada no Facebook, o presidente ressaltou que decidiu deixar o país para evitar confrontos com milícias fundamentalistas que ameaçavam os habitantes da capital.

Ministro do Interior em exercício, Abdul Sattar Mirzakwal, confirmou o início das negociações com o Talibã. A agência de notícias espanhola Efe reportou que a rede afegã Tolo News informou que Mirzakwal tenta que os talibãs entreguem o poder a um governo de transição. Em vídeo, o político indicou que "a transferência de poder para o governo de transição ocorrerá em um ambiente seguro e pacífico".

Conforme o El País, o porta-voz dos insurgentes, Suhail Shahein, também garantiu, em declarações ao canal britânico BBC, que a milícia busca uma transição pacífica de poder, nos próximos dias. O cessar-fogo, no entanto, não foi anunciado. À agência de notícias Reuters, um chefe do Talibã em Doha, no Catar, onde negociações estavam sendo mantidas para o fim das hostilidades, falou que o grupo deseja manter a integridade física dos habitantes. "Não queremos um único civil afegão inocente ferido ou morto enquanto tomamos o poder, mas não declaramos um cessar-fogo", afirmou.

Outro porta-voz da milícia garante que, agora, estão negociando com o governo a "rendição pacífica" de Cabul. Outros membros do grupo, porém, disseram à Reuters que não estão procurando um executivo de transição, após a vitória retumbante. O Talibã, de qualquer modo, emitiu apelos por calma, insistindo que não busca a tomada do poder.

Diplomatas fogem - A dominação do país pela milícia ocorre 20 anos após a invasão do exército norte-americano, que expulsou o Talibã do poder. Na manhã desta segunda-feira (16), apesar dos anúncios de tomada pacífica, o terror tomou conta de Cabul. A situação obrigou os Estados Unidos a fecharem sua embaixada e evacuarem seus diplomatas, em helicópteros militares.

De acordo com o site O Antagonista, nos últimos dias, durante a preparação dos talibãs para a tomada da capital afegã, funcionários do corpo diplomático norte-americano começaram a destruir documentos e equipamentos confidenciais.

Em pânico, a população tenta fugir do país. O medo se apoderou dos cerca de 4,5 milhões de habitantes de Cabul e dos milhares de refugiados advindos de outras áreas, em função do avanço das hostes talibãs. Segundo o El País, grandes engarrafamentos se formam nas ruas; alguns moradores estocaram comida, com medo de um longo período de instabilidade, com ocorrência de saques, mortes e violações, como no passado; outros correram para os bancos, a fim de obter dinheiro, mas tiveram uma surpresa: o governo restringiu a retirada a 2 mil dólares.

Na memória de muitos, diz o El País, está o regime imposto pelo Talibã entre 1996 e 2001, quando uma interpretação rigorosa do Islã foi aplicada. Punições físicas, a exemplo de chicotadas e amputações, eram impostas por crimes como roubo. As mulheres eram forçadas a se cobrir com a burca e proibidas de estudar, a partir dos 10 anos. Agora, os fundamentalistas tentam passar uma imagem de maior pragmatismo e contenção.

Outras embaixadas também aceleraram a evacuação de seus funcionários e as agências de viagens fecharam. Os voos domésticos e internacionais foram cancelados. Somente aviões militares dos Estados Unidos e de outras nações da coalizão internacional que apoiavam o governo conseguiram retirar seus cidadãos e diplomatas.

A escalada do Talibã ao poder surpreendeu os afegãos e a aliança liderada pelos Estados Unidos. De acordo com o El País, nas últimas duas décadas, o país norte-americano investiu 83 bilhões de dólares em equipamento e treinamento de um exército governamental que não hesitou em abandonar seus postos sem resistência ou fugir antes da chegada dos insurgentes. A população perdeu a esperança de ver a situação melhorar e culpa os Estados Unidos pelo novo golpe de Estado dado pelas milícias. "O mundo e os afegãos devem responsabilizar os líderes americanos por iniciar esta guerra e, sem encontrar uma maneira de acabar com ela, sair, agora, deixando o Afeganistão em uma situação pior do que antes da expulsão do Talibã", disse Tajuddin, comerciante de tapetes de Cabul.

O Talibã está pedindo aos afegãos que não deixem o país por medo. Zabihullah Mujahid, principal porta-voz do grupo, insistiu que os militantes receberam ordem de permanecer nos portões de Cabul e que a capital será entregue pacificamente. Os combatentes, diz o El País, estão instruídos a evitar vingança ou atacar propriedades. E garante que hospitais e o aeroporto continuarão funcionando. Também asseguraram que estrangeiros poderão deixar a capital, se desejarem.

Nesta segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU discute, em caráter emergencial, a situação no país, que está cada vez mais isolado, apesar de fontes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) afirmarem que estão trabalhando para manter o aeroporto da capital em funcionamento, único ponto de saída do país, neste momento. Isto porque, segundo informou o El país, após a tomada de Jalalabad, ontem, o Paquistão fechou sua fronteira com o Afeganistão. Agora, o território está sob o domínio do Talibã.

confusão e MORTES no Aeroporto - Nenhum esforço, todavia, impede os afegãos de cederem ao medo. Milhares de pessoas invadiram as pistas do aeroporto de Cabul, na manhã de hoje, na esperança de embarcarem em algum voo que as levasse para fora da capital. De acordo com o portal de notícias O Tempo, um vídeo divulgado pela TV Al Jazeera mostra uma multidão correndo atrás de um avião militar dos EUA, tentando subir na aeronave. Pouco após a decolagem, é possível ver algumas pessoas caindo para a morte.

Os que conseguiram subir ao topo das escadas, principalmente jovens, tentavam ajudar os outros a fazer o mesmo. Muitos se agarraram às grades. Famílias inteiras, inclusive com crianças, também tentavam fugir. O tumulto foi tão grande que as tropas americanas, responsáveis pela segurança, atiraram para o alto, a fim de dispersar a multidão. Três pessoas acabaram feridas e mortas, segundo o site. Todos os voos comerciais foram cancelados.



Mundo LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje