Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 08 de agosto de 2022

André Pomponet

A integração feirense ao modal ferroviário

André Pomponet - 05 de Agosto de 2022 | 20h 21
A integração feirense ao modal ferroviário

Tenho perfeita consciência de que abordo questão fora do tom: a perspectiva da integração da Feira de Santana ao modal ferroviário nos próximos anos. Às vezes, algum técnico do setor, numa entrevista qualquer, ressalta a necessidade da Princesa do Sertão diversificar seus modais logísticos, integrar-se mais amiúde aos circuitos dinâmicos da economia brasileira. Afinal, o município é vocacionado para a integração regional, sua malha viária o coloca em condição privilegiada.

Alguém dirá – com sensatez – que, nesses tempos ferozes, alimentar debate do gênero é um despropósito. Afinal, vivendo num País corroído por uma degeneração inédita, o brasileiro médio só consegue pensar no curtíssimo prazo, na sobrevivência diária e olhe lá. Horizontes mais largos, perspectivas de futuro, tudo isso foi sendo esquecido nestes anos de barbárie explícita.

Reconheço que é verdade. Mas o período eleitoral nos injeta algum otimismo, há a possibilidade concreta – caso não sobrevenha um golpe que imploda tudo de vez – do cenário mudar a partir de janeiro, com o horror se tornando uma recordação amarga da qual, pouco a pouco, iremos nos afastando. Então, será necessário esquecer a morte como único fim e resgatar a possibilidade de pensar a vida, de melhorar a vida.

Faz tempo que não se vê, sequer, uma intervenção relevante na infraestrutura logística da Bahia. A celebrada Ferrovia Oeste-Leste, a Fiol, arrasta-se em obras infindáveis há bem mais de uma década. A polêmica ponte Salvador-Itaparica não sai do papel. Aqui na Feira de Santana, o que chega é pontual, orbita muito mais no circuito da promessa que, propriamente, no concreto, sem trocadilhos.

Anos atrás – ainda no governo Dilma Rousseff (PT) – começou uma discussão sobre um amplo impulso à integração ferroviária no Brasil. Naquela época, pensava-se num proposta que ligaria a Feira de Santana a Ipojuca, sede do porto de Suape, em Pernambuco; a Juazeiro (BA) e Petrolina (PE), no Vale do São Francisco; a Belo Horizonte, em Minas Gerais, conectando-se com a região Sudeste; e com Candeias, na Região Metropolitana de Salvador.

O projeto, obviamente, não foi adiante. Mas o debate – e, sobretudo, os investimentos – seguem necessários. O período eleitoral é propício a discussões do gênero. Seria bom saber o que os candidatos – ao Palácio do Planalto, ao Palácio de Ondina – pensam sobre a ampliação da malha ferroviária brasileira, no geral, e para a Feira de Santana, em particular.

Dinamizar a economia é imprescindível para remover o País da miséria na qual o mergulharam. No âmbito da infraestrutura, as ferrovias cumpririam um papel fundamental nesse esforço de reconstrução do Brasil. Nesse contexto, a Feira de Santana ocupa condição privilegiada.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

Charge do Borega

As mais lidas hoje