Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 17 de setembro de 2021

André Pomponet

O hábito antigo de ouvir rádio

André Pomponet - 26 de Julho de 2021 | 20h 24
Ouvir a matéria:
O hábito antigo de ouvir rádio

Os longos meses de pandemia me reaproximaram do rádio. A gente mais velha e do interior é propensa ao aparelho, pois ele informa, alegra, tange os silêncios inconvenientes e, mais recentemente, até ajuda a espantar a solidão do isolamento social. Cultivo o hábito de manter um aparelho, ligá-lo diariamente: confesso que o celular e o fone de ouvido matam muito da espontaneidade do rádio, de sua casualidade, de sua alegria. Não sei explicar. Talvez seja caturrice de quem vai ficando velho.  

O rádio tem os seus momentos mágicos: quando toca uma música que desperta um sentimento qualquer ou quando - naqueles informes que se sucedem o dia inteiro - há uma referência a uma rua, a uma cidade ou a um lugar remoto perdido por aí, provocando uma terna saudade, a lembrança de um momento distante na vida. Por alguns instantes, o ouvinte mergulha no passado. Depois, o sentimento se desfaz.

Cresci ouvindo as antigas emissoras AM. Aliás, no começo dos anos 1980 as emissoras FM eram novidade. Com o passar dos anos, foram se consolidando, encantando a juventude daqueles tempos, que preferia só ouvir música. Hoje a frequência AM vem sendo abandonada e a programação evoluiu, programas noticiosos se mesclam à programação musical, atendendo públicos mais amplos, com quase todo mundo abrigado na frequência FM.

Mas - confesso - aquela trajetória longínqua ouvindo emissoras AM fincou raízes, firmou-se em minhas predileções. É bom ouvir canções antigas, propagandas que soam até ingênuas àqueles traquejados em capitais, referências a lugares da cidade que todo mundo conhece bem, menções a ouvintes conhecidos, figuras populares. Tudo impregnado daquele espírito do interior, pacato, avesso às turbulências das metrópoles.

É bom ouvir rádio à noite. Nos telejornais, prevalecem imensas desgraças nas grandes cidades, tragédias mundo afora; ou aquelas notícias vazias, adocicadas, sobre lugares remotos. Tudo distante, longínquo, inquietante para o sujeito pacato. No rádio, não. Mesmo as notícias sobre lugares distantes ganham um tom local, o apresentador às vezes é conhecido. Quem ouve - mesmo quando se noticia uma desgraça destas qualquer - sente um certo conforto, alguma identidade.

Ouvindo o rádio o sujeito se sente mais firme no chão que conhece bem, aquele que costuma pisar. Isso o torna confiante para ver-se sempre no mesmo lugar, cercado de referências conhecidas. Mesmo que, no fundo, a vida seja feita deste incessante derruir do que está aí, sólido, inabalável, instantes atrás.

Não é à toa que o rádio faz tanto sucesso junto ao sujeito simples do povo, com baixa instrução, que vive por aí desarvorado com as novidades deste mundo...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje