Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 28 de julho de 2021

Economia

Mercado financeiro eleva previsão de crescimento do PIB para 4,36%

07 de Junho de 2021 | 11h 27
Ouvir a matéria:
Mercado financeiro eleva previsão de crescimento do PIB para 4,36%
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

As instituições financeiras aumentaram a projeção para a expansão da economia brasileira pela sétima semana consecutiva. A consulta foi feita pelo Banco Central (BC) e o resultado indica crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). A estimativa é de que o PIB, que representa a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, suba de 3,96% para 4,36%.

Conforme a Agência Brasil, o BC reportou que, para 2022, a previsão de crescimento do PIB passou de 2,25% para 2,31%. O mercado financeiro também projeta a expansão do PIB em 2,50%, nos anos de 2023 e 2024.

Os cálculos estão no boletim Focus desta segunda-feira (7). A pesquisa é divulgada, semanalmente, pelo Banco Central, apontando a projeção para os principais indicadores econômicos.

INFLAÇÃO - A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 2021, subiu de 5,31% para 5,44%. Esta é a nona alta consecutiva.

Ainda conforme a Agência Brasil, para este ano, a estimativa supera o limite da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. O centro da meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Isto significa que o limite inferior é de 2,25% e o superior de 5,25%.

Para 2022, a projeção de inflação foi ajustada de 3,68% para 3,70%. Tanto para 2023 como para 2024, a previsão para o índice é de 3,25%. O centro da meta de inflação, para o próximo ano, é 3,50% e, para 2023, é de 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos.

TAXA DE JUROS - O Banco Central usa o Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) como principal instrumento para alcançar a meta de inflação. A também chamada taxa básica de juros da economia está, atualmente, fixada em 3,5% ao ano, pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

A perspectiva dos analistas financeiros é de que a Selic termine 2021 em 5,75% ao ano. Para o fim de 2022, 2023 e 2024, a estimativa é de que a taxa básica encerre estes períodos em 6,5% ao ano.

CÂMBIO - Ainda segundo a Agência Brasil, a expectativa para a cotação do dólar permaneceu em R$ 5,30 para o final deste ano e de 2022.



Economia LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje