Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 18 de janeiro de 2022

Câmara Municipal

Shopping Popular disponibilizará mais mil vagas para empreendedores, a partir da próxima semana

06 de Maio de 2021 | 15h 37
Shopping Popular disponibilizará mais mil vagas para empreendedores, a partir da próxima semana
Foto: Ascom/Câmara Municipal

O Shopping Popular de Feira de Santana, construído através de Parceria Público-Privada, por iniciativa da Prefeitura Municipal, vai disponibilizar mais mil boxes para empreendedores, a partir da semana que vem.

O anúncio foi feito pelo gestor do equipamento, Elias Tergilene, que, nesta quinta-feira (6), compareceu à Câmara Municipal para discutir  problemas enfrentados por vendedores ali estabelecidos.

A proposta de  convidar o empresário partiu do vereador Paulão do Caldeirão (PSC) e foi acatada pelo presidente da Casa, vereador Fernando Torres (PSC). "O empreendimento já oferece 1,8 mil vagas, além de outras 300 a feirantes acolhidos. Vamos passar a contar, no total, com cerca de 3 mil pontos", disse Tergilene.

O gestor estima que, se cada ponto tiver dois trabalhadores, serão 6 mil pessoas envolvidas. Ele também informou que deverá ser aberto, em breve, um novo espaço de comercialização, denominado Feira de Sant'Anna. A área funcionará aos sábados e domingos, no estacionamento do Shopping Popular, com mil pontos para as mais diversas atividades da economia informal.

Conforme o representante da iniciativa privada no empreendimento, são nove meses de carência no aluguel, para os ex-camelôs, que pagam, em forma de condomínio, despesas de energia elétrica à Coelba, faxineiros, seguranças  e manutenção, "devidamente estratificadas e auditadas". Ele fez questão de enfatizar que "o projeto não é  de assistencialismo, mas de empreendedorismo".

Elias Tergilene assinala, ainda, que não existe,  no orçamento público, verba alocada para subsidiar custos que são da responsabilidade dos que possuem boxe no local. "Se entenderem que o projeto deve se tornar assistencialista, estamos abertos, mas precisa rever o contrato", observou.

No entendimento do empresário, qualquer nova concessão não prevista contratualmente, "a quem quer que seja, precisaria de iniciativa do Executivo e autorização do Poder Legislativo". Sobre o problema da água de chuva que cai nas instalações do Shopping Popular, ele disse que o problema tem origem nos galpões de carnes e de farinha do vizinho Centro de Abastecimento, que necessitam ser reformados com urgência. 

O gestor salientou que, a partir deste mês, por exigência do contrato, a gestão do Shopping Popular vai passar por  uma auditoria independente, além do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Município, "que acompanham toda movimentação".

À Câmara, ele propôs que também fiscalize o cumprimento das cláusulas contratuais. E desmentiu especulações de que o imóvel teria sido doado, pela Prefeitura, à iniciativa privada. "Acabou a concessão, devolve-se o terreno, a construção e tudo o mais para o Município", afirmou Tergilene.



Câmara Municipal LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje