Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 06 de maio de 2021

André Pomponet

O negacionismo ganhou mais uma

André Pomponet - 02 de Março de 2021 | 20h 47
O negacionismo ganhou mais uma

– ...Está aqui que foi ele quem financiou a campanha de Lula...

E folheava febrilmente uma publicação qualquer que – suponho – devia conter a prova definitiva e arrasadora contra o ex-presidente Lula (PT). Foi ali no calçadão da Sales Barbosa ontem (01) pela manhã, sob a garoa fina que surpreendeu os feirenses. Óculos escuros espelhados, camisa social esfiapada, cabelos maltratados. Movia-se indignado. Naquela agitação, parecia atribuir ao ex-presidente a culpa pela pandemia, pelo comércio fechado, pelo paradeiro econômico. E desolava-se.

– Querem matar o povo de fome!

Adiante, quem comentou isto foi uma mulher, de abundante cabeleira grisalha. Falou meio de lado, como quem lança uma praga. E, irritada, dobrou a esquina da Sales Barbosa com a Capitão França e desapareceu.

É necessário reconhecer que Jair Bolsonaro, o “mito”, venceu: a adesão ao lockdown aqui na Feira de Santana foi muito menor do que no primeiro semestre do ano passado. Sua incessante campanha contra o isolamento social, contra o uso de máscara e as medidas restritivas fisgaram muita gente. Ao contrário de Salvador e Região Metropolitana, amanhã (03) a Feira de Santana interrompe o curto lockdown.  

Não é à toa que mais de 250 mil brasileiros já morreram e muitos outros vão morrer até o final da pandemia. Hoje (02), foram 1,7 mil óbitos notificados. Um triste recorde que vem sendo quebrado sistematicamente. Mas, Brasil afora, não falta quem queira tudo aberto, tudo funcionando, como se nada estivesse acontecendo. É grande a identidade dessa gente com o governo da morte.

Alguns sábios falam, desde o ano passado, que basta ampliar os leitos de UTI que está tudo resolvido. Como profissionais especializados, equipamentos e medicação não surgem por geração espontânea, fica a dúvida sobre como esses recursos vão aparecer. E dinheiro? Como se sabe, ele não nasce em árvore. Os que querem vida normal se dispõem a pagar mais impostos para financiar os gastos com a pandemia? Duvido.

É triste viver num País que conquistou a condição de pária internacional. E, como párias que se prezam, desdenhamos da ciência e da vacina. A luta pela vacina devia ser muito mais ampla, mobilizar muito mais gente. Não é o que se vê. Muito brasileiro está aí, bovino, aguardando sua vez de se contaminar e morrer. Como o gado que, no fundo, muitos são.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje