Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 28 de novembro de 2021

André Pomponet

Barafunda ideológica se aprofunda mundo afora

André Pomponet - 13 de Fevereiro de 2017 | 11h 26
Barafunda ideológica se aprofunda mundo afora

Pouca gente comentou até agora, mas 2017 é ano emblemático. Marca o centenário do triunfo da Revolução Russa, que instituiu a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). É certo que, décadas adiante – mais precisamente, em 1991 – a pioneira experiência socialista ruiu, deixando órfãos milhões de comunistas mundo afora. Naquele momento parecia que o capitalismo triunfaria, hegemônico, prevalecendo como única alternativa de organização da produção.

Os mais entusiasmados previam um futuro venturoso, com capitalismo e democracia entrelaçando-se em simbiose perfeita. Não foi o que aconteceu até agora. Ao contrário: uma intensa crise econômica arrasta-se desde 2008. Com ela, bilhões de pessoas foram afetadas pelo planeta. Incluindo aí, claro, milhões de trabalhadores das nações desenvolvidas, barrados no baile da globalização.

Foram eles que elegeram Donald Trump nos Estados Unidos e, meses antes, avalizaram a saída da Inglaterra da União Europeia. São eles também que ameaçam alçar ao poder a extrema direita na França, na Holanda, no Leste da Europa e que sacodem a supostamente sólida engenharia que erigiu a União Europeia. Suprema ironia: o eleitorado tende a consagrar a extrema direita nas urnas não pelas virtudes do capitalismo triunfante, mas em função de suas mazelas...

Quem envereda na direção ideológica oposta também não tem lá muitas razões para sorrir. Afinal, na recente reunião de Davos, na Suíça, os chineses – isso mesmo, os comunistas chineses – exaltaram as virtudes da economia de mercado, embora não a pratiquem. E Cuba, coitada, verga sob o assédio capitalista, mesmo com todos os discursos oficiais negando.

E o Brasil?

Por aqui, a confusão é ainda mais intensa. E não apenas por causa do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), que provocou salseiro inédito no cenário político. No Brasil a situação andava confusa há muito tempo. A famosa Carta aos Brasileiros – na verdade, uma manifestação de boas intenções para os banqueiros, quando Lula concorria à presidência em 2002 – talvez funcione como um dos marcos do intenso rebuliço ideológico recente.

Há quase um ano, PT e PC do B repisavam que o impeachment era golpe. E defenestravam a velha direita caquética à qual estavam aliados até a véspera. Pois não é que ventos oportunistas desvirtuaram a biruta ideológica e o PC do B e parte do PT votaram em Rodrigo Maia (DEM), um dos artífices do impeachment, para presidir a Câmara dos Deputados pelos próximos dois anos?

A perspectiva de assumir o poder também produziu embaraços ideológicos no PMDB. Os pajés do partido sempre viveram à sombra do Estado, ocupando cargos, mercadejando verbas e vitaminando seu projeto político com o estímulo irrefrável dos cofres públicos. E não é que, subitamente, os próceres da legenda converteram-se em inveterados privatistas, apóstolos do Estado mínimo? A convicção decorreu das conveniências da ocasião, claro.

Populismo

E o que comentar do PSDB, a legenda que sempre requisitou o primado da técnica e da boa gestão? Converteu-se em valhacouto de populistas rasteiros. É o caso do atual prefeito de São Paulo, João Dória. Descontando os factoides e as performances, o “gestor” que renega a política vai pouco além da demagogia de gente do naipe de Paulo Maluf.

É claro que muitas legendas abrigam gente coerente: os que estão sempre na situação. E que se ajustam com perfeição tanto aos impulsos estatizantes quanto às vagas privatizantes, extraindo o máximo proveito pessoal possível. Quase todo o emaranhado de siglas vazias que organizam a fauna política brasileira encaixa-se nessa definição.

Os profetas da Revolução Socialista devem acompanhar, no além-túmulo, desolados, a derrocada dos seus regimes mundo afora e, sobretudo, a degeneração dos partidos que alegam defender suas ideias; do outro lado, os liberais ideológicos – aqueles movidos por ideologia, não por conveniência – devem revolver-se nas tumbas, testemunhando o apetite dos pretensos privatistas sobre os cofres públicos.

O mais desesperador é que nada sinaliza para melhoras no médio prazo. Contrariando o dito popular, talvez, “nem Jesus na causa”. Afinal, no Brasil, o que não falta é partido abrigando gente que diz falar em nome do Cristo...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje