Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 17 de setembro de 2021

André Pomponet

Lembranças de Havana X

André Pomponet - 27 de Janeiro de 2016 | 09h 22
Lembranças de Havana X

Estive em Havana para apresentar dois trabalhos: um deles referia-se ao Plano Plurianual Participativo (PPA-P) que a Bahia implementou em 2007. Uma experiência interessante da qual participei e cujas lembranças resultaram num artigo apresentado no Palacio de Convenciones de La Habana. Na mesa, uma miscelânea de expositores: o mais exótico era um boliviano com cara de índio que fazia doutorado no Canadá e que conduziu uma discussão bastante lúdica sobre a terra e a relação dos povos andinos com a terra.

Na plateia havia um debatedor grisalho que, horas depois, revi no hotel em um programa de tevê discutindo aspectos políticos do embargo promovido pelos norte-americanos à ilha. O espaço era amplo, havia tradução simultânea e, imagino, deve abrigar discussões inclusive com chefes de Estado.

A exposição despertou interesse entre a plateia: mais pelo tema político que chamava atenção que, propriamente, pelo expositor. Notei que uns jovens estudantes cubanos acompanhavam com interesse a apresentação. Talvez imaginassem: seria a centelha de um futuro e impreciso processo revolucionário na América Latina? Preferi me prender aos fatos e não vender ilusões, mesmo que para produzir uma alegria transitória entre aquela gente sofrida.

Um professor brasileiro fez uma intervenção: “Achava pouco esse papo de PPA-P; era muito pouco para ser apresentando aos cubanos”. Como precisei me ausentar da sala antes do fim dos debates porque tinha outra apresentação agendada, não pude responder honestamente: é o que temos para mostrar. Mais do isso é ilusão.

 Naqueles dias a crise econômica que eclodira em 2008 assanhava o mundo; muitos revolucionários dormentes enxergavam então, pela enésima vez, a derrocada definitiva e irreversível do sistema capitalista. E vendiam a ilusão para os acadêmicos cubanos, que demonstravam ansiedade com os acontecimentos, buscando enxergar a derrocada do sistema.

 Saí com a convicção de que a experiência cubana é singular e única: encaixa-se no contexto revolucionário da década de 1960 e se tornou emblemática porque ocorreu a 100 quilômetros do símbolo maior do império econômico e militar capitalista. Não é pouco, mas é tudo: a dinâmica da revolução cubana esgota-se em si mesma e na realidade que a engendrou.

A derrocada capitalista tornou-se objeto de charlatanismo científico: que vai ocorrer no futuro, vai; tudo nasce condenado a fenecer. Quando, como, aonde e o que virá depois transita pelo imponderável. Apontar fragilidades transitórias ou inconsistências genéticas envolve uma arte delicada que, quando deturpada – e na maioria das vezes o é – desembesta num xamanismo materialista bisonho. Investigar o passado é uma ciência difícil; descortinar o futuro, então, é impossível...

 


André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje