Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 17 de setembro de 2021

André Pomponet

Brasileiro resgata o “Natal da lembrancinha”

André Pomponet - 02 de Dezembro de 2015 | 09h 31
Brasileiro resgata o “Natal da lembrancinha”

                            

Desde o fim de outubro que as matérias sobre o Natal que se aproxima ocupam o noticiário. Ao contrário de anos anteriores – quando a orgia consumista dava o tom em cada reportagem – neste 2015 a crise tempera o noticiário sobre as festas de final de ano. O comedimento predomina e o apelo à prudência ganha tons didáticos. Não é para menos: as estimativas apontam para um recuo do Produto Interno Bruto – PIB próximo dos 3%. Para o próximo ano, as expectativas são igualmente desanimadoras: estima-se nova retração, que não deve ser inferior a 1%.

                Noutros tempos de crise – isso lá pelo final dos anos 1990 – ficou famoso o jargão “Natal da lembrancinha”. Isso porque, endividado e com dinheiro curto, o brasileiro não podia esbanjar, comprando presentes caros: quitar débitos acumulados ao longo do ano e poupar para robustecer uma módica poupança constituíam prioridades. É exatamente o que acontece hoje. Caso também falte criatividade, é provável que se recorra à mesma analogia na imprensa.

                Mas, como é próprio da natureza do capitalismo, a crise é sempre mais severa com alguns desafortunados. Esses, invariavelmente, costumam ser os trabalhadores e a habitualmente emparedada classe média. Quem tem dinheiro para aplicar, está feliz com os juros extorsivos que o Banco Central elevou no início do ano com diligente disciplina. Exatamente como acontecia em meados dos anos 1990, só reforçando a recordação.

                Quem vive do próprio trabalho contornou inúmeros problemas neste 2015: o desemprego – muitos perderam seus postos de trabalho Brasil afora – a inflação ascendente, os impostos indecentes, os cortes nos gastos sociais e nos direitos trabalhistas e o clima de anarquia política que alavancou a crise econômica. Heroico, merecia uma trégua natalina.

                Mas, não: vai ter que trocar o habitual peru natalino pelo providencial frango assado, permutar o vinho mais fino pela mesma marca de cerveja dos finais de semana e, como já foi dito, ignorar os presentes caros que se insinuam, tentadores, nas vitrines. Certamente não faltarão aqueles, mais prudentes, que substituirão o réveillon à beira-mar, saudando Iemanjá, por uma torrente de pensamentos positivos emanados da própria sala de casa. Afinal, sai mais barato.

                Crise em 2016

                A questão é que, em 2016, as perspectivas econômicas também são pouco promissoras. E com um agravante: as eventuais sobras acumuladas nos anos de relativa bonança diluíram-se, em muitos casos, nesse 2015 de inúmeras agruras. Assim, ajustando suas ambições, muitos brasileiros trocarão os tradicionais pedidos de mais prosperidade para o próximo ano pela dádiva de atravessar 2016 incólume à crise. Não deixa de fazer sentido.

                Nem é tão consciente assim, mas na Feira de Santana os adereços natalinos começaram a enfeitar as lojas mais tardiamente: somente agora em novembro – e com o avançar do mês – é que Papai Noel começou a dar as caras nas vitrines. Mas sem o mesmo apetite mercantil dos anos anteriores, quando o consumismo imperava, alavancado pela emergente classe C. Hoje, milhões desses consumidores neófitos retornaram à antiga condição e já não dispõem de dinheiro para gastar no comércio.

                No Feiraguai – até outro dia paradigma da ascensão da classe C ao universo do consumo – o movimento decaiu desde o início do ano, a partir da elevação do dólar. E isso se repete em todo o comércio: na Marechal Deodoro que fervilhava, na Sales Barbosa aonde cada centímetro quadrado era disputado com sofreguidão, na Senhor dos Passos e na Getúlio Vargas com seus consumidores mais exigentes.

                É provável que, até às vésperas de Natal, o movimento encorpe, graças ao pagamento do décimo-terceiro salário. Mas nada que se compare aos anos anteriores, quando o Chester era disputado a tapa nos congeladores dos supermercados. Resta a expectativa que, dentro de um ano, às vésperas do Natal de 2016, estejamos comemorando os primeiros sinais da retomada do crescimento econômico.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje