Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 16 de fevereiro de 2020

Bahia

Inflação em Salvador subiu 1,65% em janeiro

24 de fevereiro de 2015 | 18h 15
Inflação em Salvador subiu 1,65% em janeiro

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Salvador apresentou, em janeiro, incremento de 1,65%, variação superior à apurada no mês anterior (0,49%). Em janeiro de 2014, o IPC havia registrado variação de 1,37%, segundo dados da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan).

No acumulado dos últimos 12 meses (fev. 2014-jan. 2015), a taxa situou-se em 6,54%, resultado superior ao acumulado nos 12 meses imediatamente anteriores (jan.-dez. 2014), que foi de 6,25%.

Em janeiro de 2015, os produtos/serviços que tiveram maiores contribuições positivas na formação da taxa, com suas respectivas variações de preços, foram: Honorários advocatícios (30,92%),  Mensalidade/Matrícula Curso Formal (8,47%), Tarifa de Transporte Coletivo (5,36%), Automóvel Novo (3,54%), Tarifa de Energia Elétrica Residencial (Bandeira Vermelha) (4,77%), Curso de Terceiro Grau (6,89%), Plano de Saúde (2,39%), Hospitalização e Cirurgia (45,67%), Empregado Doméstico (3,50%) e Feijão Mulatinho (19,61%).

Dos 375 produtos/serviços pesquisados mensalmente pela SEI, 211 registraram alta nos preços, 70 não tiveram alterações e 94 registraram decréscimos. 

Levando-se em conta apenas os reajustes individuais, os produtos cujos preços mais aumentaram em janeiro do ano corrente foram: Hospitalização e Cirurgia (45,67%), Honorários Advocatícios (30,92%), Limão (24,13%), Feijão Mulatinho (19,61%), Plano Odontológico (18,03%), Batata Inglesa (16,57%), Diária de Hotel (16,52%), Manga (16,30%),Feijão Rajado (13,81%) e Consulta Médica (13,25%).

Cesta básica chega a R$ 261,55

A ração essencial mínima definida pelo Decreto-lei 399, de 30 de abril de 1938, que estabelece 12 produtos alimentares (feijão, arroz, farinha de mandioca, pão, carne, leite, açúcar, banana, óleo, manteiga, tomate e café) e suas respectivas quantidades, passou a custar R$ 261,55 em janeiro de 2015, representando uma elevação de 1,64% quando comparado com o mês de dezembro de 2014. O trabalhador comprometeu 39,27% do salário mínimo líquido para adquirir os 12 produtos da cesta.

Dos 12 produtos que compõem a ração essencial mínima, nove registraram variações positivas: Feijão rajado (13,81%), Banana prata (3,24%), Carne bovina (cruz machado) (2,95%), Café moído (1,37%), Arroz (1,17%), Açúcar cristal (1,09%), Pão francês (0,37%), Óleo de soja (0,34%), e Manteiga (0,10%). Três registraram variações negativas: Tomate (2,41%), Leite pasteurizado (1,65%), Farinha de mandioca (0,23%). 



Bahia LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje