Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 03 de maro de 2024

Política

Quem mais depende do Bolsa Família em Feira

André Pomponet - 28 de Novembro de 2023 | 10h 34
Quem mais depende do Bolsa Família em Feira
Foto: Divulgação/JC Concursos

Mulheres, crianças e jovens estão entre os segmentos da população feirense que mais dependem dos repasses do Programa Bolsa Família, resgatado no começo da atual gestão de Lula (PT). As informações que embasam a constatação estão disponíveis no site do Ministério de Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome. No relatório sobre a Feira de Santana, é possível verificar que exatas 74.045 famílias são atendidas pela iniciativa, que totaliza 194.152 pessoas beneficiadas.

A distribuição entre os sexos é bem desigual: são beneficiárias 120,7 mil mulheres – ou 61,79% do total – e 74.630 homens, o que equivale a 38,21%. As mulheres estão, portanto, mais expostas à vulnerabilidade social até porque em muitas situações assumem, sozinhas, o cuidado de crianças e adolescentes. Os números acima mostram que a realidade feirense, pelo visto, converge com o cenário mais amplo, nacional.

Por faixa etária, os números revelam que até os 17 anos há bastante equilíbrio entre os sexos: os homens são a maioria beneficiada entre crianças e adolescentes até os 15 anos, mas essa diferença entre os sexos nunca é superior a 1%.

As mulheres tornam-se maioria consistente na faixa etária dos 18 aos 24 anos – 59,3% a 40,6% - e mantém essa dianteira até o segmento de 60 a 64 anos, quando os percentuais correspondem a 59% e 41%, respectivamente. A partir dos 65 anos, restabelece-se um equilíbrio relativo: vantagem de 51% a 49% para as mulheres.

O que chama a atenção no segmento a partir dos 65 anos é o declínio no número de beneficiários, que corresponde só a 0,41% de quem está na faixa etária. A explicação não é difícil: boa parte de quem tem mais de 65 anos aposentou-se ou é beneficiária de outros programas de transferência de renda, dispensando, portanto, o Bolsa Família.

É o oposto de quem está no começo da vida e não dispõe de alternativas de renda. Entre 7 e 15 anos, por exemplo, mais de 23% das crianças vive em famílias que demandam o benefício. A realidade feirense replica inúmeros estudos produzidos ao longo das últimas décadas sobre exposição à pobreza e à vulnerabilidade social.

Obviamente, os desafios são significativos e o município, isoladamente, não tem como resolvê-los. Mas iniciativas locais, se bem planejadas e efetivadas, podem ajudar a mitigar os problemas, reduzindo a exposição de crianças e mulheres à pobreza.

É o caso, por exemplo, da construção de creches que podem liberar parte da população feminina do cuidado com os filhos, liberando-as para o trabalho remunerado. A questão é muito debatida, mas, por aqui, os avanços são bem tímidos...



Política LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

Charge do Borega

As mais lidas hoje