Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 08 de agosto de 2022

André Pomponet

O vizinho da boca de crack

André Pomponet - 30 de Junho de 2022 | 12h 15
Ouvir a matéria:
O vizinho da boca de crack

-Vejo eles pra lá e pra cá, à noite, até de madrugada. Sabe aquele clipe de Michel Jackson, com os fantasmas? Parece aquilo...

Os olhos muito vivos, a boca aperta de espanto. O comentário é de um cidadão pacato – comerciante, pai, casado, católico, até conservador, quase avô, respeitador das leis – aterrado com os usuários de drogas que costuma ver nas cercanias de onde mora. O clipe que ele menciona é Thriller, sucesso estrondoso há cerca de 40 anos. Nele, zumbis emergem, contracenam com Michael Jackson, astro pop daqueles tempos.

O ir-e-vir dos viciados o estupefata. “Nunca pensei que seres humanos pudessem ser reduzidos àquilo”, confessa, o espanto crescente. Vê tudo à distância. Os espectros, assustadores, emergindo sob a luz opaca do poente, o movimento incessante numa esquina próxima quando as sombras da noite devoram o entardecer, o movimento suspeito e agitado dos traficantes.

Costumava ver as cenas pela tevê, em São Paulo, no Rio de Janeiro, naqueles programas vespertinos, sensacionalistas. De perto, porém, tudo é mais dramático. Não se trata de uma cracolândia enorme, como aquela que existiu no centro de São Paulo e que foi diluída recentemente. É bem mais modesta, explica, mas, mesmo assim, é aterradora.

-Há mulheres também. Vejo à distância, da janela. Na 'noia' – chamam o usuário de crack sob o efeito da droga assim, corruptela de paranoia – ficam agressivos, discutem, ameaçam, caminham sem parar, sem destino, até o efeito da droga passar...

Já flagrou, de longe, a luminosidade fugaz dos cachimbos com a droga sendo acendidos. Os consumidores são andrajosos, esquálidos, desengonçados. Não sabe como arranjam dinheiro para sustentar o vício. Desconfia que seja coletando recicláveis: latas, papelão, metal, plástico, tudo que pode se converter em alguns trocados. Depois, afoitos, correm para a “boca de fumo”, adquirem a droga impiedosa que vai lhes proporcionar um prazer efêmero, mas escravizante.

A experiência o conscientizou sobre aquela catástrofe: mais que um problema de segurança, aquilo é questão de saúde pública, os infelizes que perambulam pelas esquinas próximas necessitam de internação, de tratamento, defende. “Imagino que, às vezes, ajam com violência, isso é óbvio. Mas são muito mais vítimas que culpados”, pondera.

Observo que o raciocínio é excêntrico nesses ásperos tempos: para essa gente infeliz, histéricos defendem cárceres imundos, fuzilamentos sumários, valas em cemitérios; para quem mercadeja fé, orquestra altos esquemas para agadanhar recursos da Educação e da Saúde, sonega impostos, há aplausos, no máximo um silêncio cúmplice, nenhuma repreensão. Prevalece o silêncio por alguns instantes. Por fim, sua latenta convicção cristã o move, num lamento:

-É necessário fazer alguma coisa por essas pessoas. Não me conformo de ver essa cena todo dia, na esquina próxima...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

Charge do Borega

As mais lidas hoje