Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 04 de julho de 2020

César Oliveira

Patrulhamentos, Zeca Camargo e a morte de Cristiano

08 de julho de 2015 | 14h 52
Patrulhamentos, Zeca Camargo e a morte de Cristiano

Em 78, na plenitude do regime militar, o cineasta Cacá Diegues cunhou o meme "patrulhamento ideológico". De lá para cá o termo, como uma serpente do mal, deu filhos como o patrulhamento dos politicamente corretos, das cotas, do ativismo gay, dos ciclistas, da vitimização dos menores, dos imoladores da classe média e da elite branca, dos apologistas da linguagem coloquial como igual à norma culta, dos defensores da abolição do mérito, entre tantos outros.

Agora, viceja como erva daninha o que chamo de "patrulhamento consensual" ou "patrulhamento viral", pois é exercido via redes sociais e construído a partir de consensos emocionais e efêmeros com base em temas que ”viralizam".

Um exemplo é a enxurrada de agressões, desaforos, palavrões, xingamentos homofóbicos, ditos ao apresentador da Globo, Zeca Camargo, porque ousou fazer uma discussão mais profunda sobre a comoção nacional da simbólica morte do cantor sertanejo, antes desconhecido, Cristiano Araújo.

Ouvindo a matéria, observamos que  não há ofensas pessoais ao morto, mas uma opinião sobre a dimensão musical que o referido cantor tinha e se a comoção que aconteceu reflete mais a necessidade de uma catarse coletiva ou um real sentimento, visto que a maioria não o conhecia.

Vejam que ele fala sobre cobertura da mídia x comoção x expressão musical nacional ou cultura e não da perda do indivíduo per si, do humano. O texto, com questões comportamentais, em nível acima do adequado para a TV, não pode ser interpretado de forma ligeira.

Apesar disto, chega a ser assustador ler os comentários e a agressividade. As mesmas pessoas que lamentam a morte do cantor, contraditoriamente, desejam a morte do jornalista com toda ira e a música sertaneja é alçada ao panteão dos intocáveis. A verdade é que pode-se discordar da opinião dele, pode-se achar que a relevância musical do sertanejo é maior - trata-se de gosto individual -, mas ofensa pessoal não é resposta a uma crítica de gênero musical, ou sobre o momento cultural que vivemos, afinal, é disso que trata o texto de Zeca Camargo.

A verdadeira liberdade é quando respeitamos o outro quando ele diz coisas que não gostamos.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje