Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 25 de outubro de 2021

Educação

Seduc planeja estratégias para atrair estudantes que precisam se adaptar à nova modalidade de ensino

09 de Julho de 2021 | 11h 07
Seduc planeja estratégias para atrair estudantes que precisam se adaptar à nova modalidade de ensino
Foto: Sara Silva

Em Feira de Santana, as aulas da Rede Municipal de Ensino foram retomadas, no dia 29 de março, no modelo não presencial. E, para alcançar um número cada vez maior de estudantes, a Secretaria Municipal de Educação (Seduc), está revendo suas estratégias. De acordo com a pasta, as ações estão sendo planejadas a partir dos resultados obtidos através de instrumentos pedagógicos que medem os primeiros dados a respeito do desenvolvimento da nova modalidade.

Segundo a Seduc, o objetivo é traçar um panorama e atuar, especificamente, nas atividades de um grupo pequeno de escolas que apresentaram resultados menos satisfatórios. As equipes de gestão escolar aprimoram métodos para ajudar as famílias a manter o foco no modelo não presencial.

A professora Anaci Paim, gestora da Secretaria de Educação, avalia como positivos os resultados obtidos e destaca que foi possível identificar, com precisão, as vulnerabilidades. "A média dos resultados, de modo geral, foi positiva para a maioria dos polos e distritos e, consequentemente, para a maioria das escolas. Mas estes dados nos mostram, precisamente, onde precisamos melhorar nossos índices e atingir um número ainda maior de estudantes", observa.

Conforme Anaci Paim, o levantamento foi feito por ano escolar e também por polos e distribuição de escolas, a partir da aproximação por área geográfica da cidade. Ela explicou que a meta, agora, é melhorar os resultados e chamar a atenção das famílias que não estejam retirando as atividades e acompanhando seus filhos, em casa, na realização e na assistência às videoaulas.

A equipe do Núcleo de Alfabetização (Nafs) da Seduc analisou, ainda, que os estudantes supervisionados pelos responsáveis, mães ou pais, são os que mais entregam as atividades dentro do prazo. O índice, de acordo com a secretária, é 46,89%.

Laecio Andrade Ferreira Silva, especialista em Educação que atua no Nafs, salienta que o momento é complicado, por conta da pandemia de Covid-19, mas também acredita que os resultados são positivos. "Sabemos que essa foi uma retomada com muitas incertezas e dúvidas, pois a pandemia nos colocou em um novo contexto totalmente inesperado e diferente para todos. No entanto, nossa análise, com base nos resultados, é positiva", ressalta.

Os dados continuam sendo avaliados periodicamente. E, no entendimento da professora Karina Macedo, coordenadora do Núcleo de Alfabetização, é imprescindível que essa análise constante resulte no alcance de um número cada vez maior de estudantes. "O mais importante é que, a partir das análises mensais, possamos aumentar cada vez mais o percentual de estudantes que tenham acesso às novas estratégias de ensino e isso implique num retorno cada vez maior e constante", pondera.

Grupos de mensagem - Sara Silva, diretora da Escola Municipal Izidro Alves de Jesus, situada no distrito de Matinha, acredita que o maior desafio é mobilizar as famílias e manter um contato permanente, a fim de que o ritmo de retirada/devolução das atividades não diminua. "Criamos um grupo de WhatsApp, para nos aproximarmos das famílias, a fim de mantê-las informadas de datas, prazos e demais informes. E, ao mesmo tempo, monitorar as que perdem o ritmo", destaca. 

A partir dos resultados coletados, a Seduc está colocando em prática, em conjunto com as equipes de gestão das escolas municipais, estratégias que aprimoram o contato e o apoio às famílias. Conforme o órgão, os casos com maior adesão dos estudantes também são exemplos para o desenvolvimento das escolas que tiveram índices menores. 

A secretária Anaci Paim disse que as unidades escolares que não atingiram patamar satisfatório estão sendo consultadas. O intuito é entender as razões e solucioná-las o mais breve possível. "Nas próximas avaliações, queremos alcançar índices mais favoráveis", assevera.



Educação LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje