Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 17 de setembro de 2021

André Pomponet

Economia só engata com vacinação

André Pomponet - 14 de Abril de 2021 | 19h 55
Economia só engata com vacinação

– Não estou indo na rua, não. Compro o que preciso perto de casa e, quando a situação melhorar, vou no centro da cidade. Não quero pegar transporte cheio, ficar em aglomeração, essas coisas.

O comentário é de uma dona-de-casa num mercadinho feirense. Acrescentou que nem quando a pandemia da Covid-19 arrefeceu – naquele breve intervalo entre as duas ondas – ela se arriscou. O que ela aguarda? A vacina, conforme comentou com a interlocutora, uma idosa de máscara azul, cabelos acaju e olhos muito vivos. “O pior é que ainda vai demorar até chegar na minha idade”, lamentou, arrematando com um suspiro.

– Tô precisando fazer uma reforma lá em casa, mas agora não dá para meter a cara, não. Esperando a poeira da pandemia baixar...

Quem comentou isso foi um moto-taxista aguardando passageiro numa manhã ensolarada de abril. Pardo, meio calvo, barba por fazer, a pança arredondada. O interlocutor era um branquelo muito magro, de cabelos ralos. Explicou detalhadamente o que pretende: desmanchar a cozinha, ampliá-la, adicionar um cômodo novo. Mas as incertezas da pandemia o põem reticente: a clientela sumiu, é arriscado assumir dívidas.

– E nada de chegar vacina pra gente... – comentou o branquelo, desolado.

A apreensão aumentou porque as vacinas para a primeira dose acabaram. Não apenas na Feira de Santana, mas em muitos municípios brasileiros. A imprevidência do governo de Jair Bolsonaro, o “mito”, na aquisição dos imunizantes, vai arrastar o paradeiro na economia sabe-se lá até quando.

O receio de contrair o vírus – é bom lembrar que os hospitais permanecem lotados – está afetando a disposição de muitos brasileiros de sair para consumir. Outros não podem investir, mesmo numa modesta obra doméstica, porque as expectativas para a economia, no curto prazo, são sombrias. A estagnação que todo mundo vê resulta da combinação das visões pessimistas da população.

Qual a é a solução para o imbróglio? A vacinação em massa. Caso apostasse nisso lá atrás – governantes que não tem fixação pela morte começaram a se mexer ano passado – o governo de plantão em Brasília teria um cenário muito mais promissor. Mas, não: apostaram na fantasia das medicações milagrosas e ineficazes e até debocharam das vacinas. A fatura, agora, está aí, pesadíssima: economia paralisada e centenas de milhares de mortos.

Para a sua claque, o “mito” insiste no discurso da reabertura irresponsável, como se a reativação da economia dependesse só de loja aberta ou fechada. É mais um engodo. Afinal, como é que se pretende convencer o consumidor a se arriscar? A toque de baioneta? A vacinação – combinada às medidas de isolamento social no curto prazo – é o único caminho racional. É o que demonstram os diálogos da gente simples da Feira de Santana reproduzidos acima.

São muito mais sensatos que os mentecaptos encastelados em Brasília.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje