Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 19 de abril de 2021

Câmara Municipal

Presidente da Câmara Municipal acusa Governo de exercer pressão para aprovação de projeto que isenta e parcela tributos

30 de março de 2021 | 14h 20
Presidente da Câmara Municipal acusa Governo de exercer pressão para aprovação de projeto que isenta e parcela tributos
Foto: Ascom/Câmara Municipal de Feira de Santana

Em discurso inflamado, proferido na tribuna da Câmara Municipal de Feira de Santana, na manhã desta terça-feira (30), o vereador Fernando Dantas Torres (PSD), reagiu ao que chamou de pressões do Governo Municipal quanto a um projeto do Executivo que tramita na Casa da Cidadania e que se refere à concessão de desconto, isenção e parcelamento de tributos. O presidente do Legislativo feirense afirmou, ainda, que a coação tem se dado, inclusive, por meio de alguns veículos de comunicação.

Torres ressaltou que a atual Mesa Diretiva não vai admitir esse tipo de postura. E enfatizou que, pessoalmente, pretende exercer o seu mandato com “diálogo e muito trabalho, principalmente para fiscalizar, investigar, denunciar e impedir roubos, que porventura possam ocorrer na administração pública”. 

Apesar do tom, o edil fez questão de observar que o seu discurso não pretende o rompimento “com governo algum”. No entanto, disse que não se encontra no cargo para “para ser subalterno, nem ouvir puxão de orelha, servir ao prefeito Colbert ou ao ex-prefeito José Ronaldo, nem para dizer amém a tudo”.

Fernando Torres salientou, ainda, que trabalha pelo bem da cidade e que nada deve a políticos, além de respeito e diálogo, “desde que haja reciprocidade”. Ele afirmou ter recebido um telefonema de um secretário de governo cobrando a aprovação do denominado “Projeto do IPTU”. E acusou o Executivo de ter “alimentado” a imprensa de modo a repercutir o fato de forma “parcial” e sem a escuta do “outro lado”.

Diante te tais observações, o gestor afirmou que pretende recomendar ao prefeito que não o procure para este fim. “Não mande secretário me ligar, com pressões ou ameaças”, declarou. 

O presidente da Casa da Cidadania esclareceu que não existe atraso por parte do Legislativo. “Primeiro, enviaram um projeto contendo erros primários, que a Casa teve de devolver para correção. No dia 23, portanto, há apenas três sessões, recebemos de volta. Ocorre que a matéria precisa passar por várias comissões”, justificou.

Torres arrematou sua fala advertindo que o Governo assuma “a sua culpa”, ao invés de “jogá-la para a Câmara”. Também mencionou que a proposta é uma ideia sua e do vice-prefeito, Fernando de Fabinho, e que, pela importância e prazos que precisam ser cumpridos, deveria ter sido encaminhada no início de fevereiro.



Câmara Municipal LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje