Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 19 de setembro de 2021

César Oliveira

O colapso de março e o fim do verão

César Oliveira - 03 de Março de 2021 | 17h 34
O colapso de março e o fim do verão
Ninguém pode entrar duas vezes no mesmo rio; não seremos nós, nem o rio, os mesmos. Lembrei da frase de Heráclito de Efeso enquanto dirigia para o trabalho pela rua cheia de sol, de uma luz quase brilhante, invasiva, saneadora. Subitamente, Março, havia chegado, e, em uma segunda-feira. Março, terceiro mês do ano no calendário gregoriano, é um mês diferente, não só pelas águas que fecham o verão, mas porque é tomado pela seriedade, sendo quase uma heresia manter o dolce far niente em período de tão absoluta dedicação laboriosa.
 
Habita em nós, de dezembro a fevereiro, um relaxamento, e perdão por tudo que fazemos – sim, olhar as moças cada vez mais lindas, beber toneladas, não ir trabalhar com desculpa esfarrapada, aplaudir aquele pôr do sol definitivo ou, pelo menos, definitivo, até o ano que vem.
 
Março, não. Março requer gravata, cartão de ponto, produtividade, e esquecimento do verão passado. Se no período anterior salvamos a alma do bolor do tédio, da indiferença amorosa, e do cotidiano igual, em março, fazemos a regeneração do corpo dos excessos cometidos e das contas estouradas. Não é à toa que na Roma Antiga ele era o primeiro mês do ano, chamava-se Martius, de Marte, deus romano da guerra, e marcava o início das campanhas militares.
 
Março é o colapso do verão, aquele em que as mulheres readquirem habitual compostura- pelo menos as que saem ilesas- e os homens contam no escritório ilusórias aventuras. Sempre foi assim, todo março, igual. Menos esse. Ele se apresentou com um mormaço ameaçador com o colapso nacional da saúde; uma ameaça que é um vírus e não um engano de amor; mortes que são um soco no meio da cara; com máscaras que não escondem de ninguém que o medo se instalou definitivamente nos olhares; e ruas vazias que sinalizam que há uma guerra para vencer.
 
Então é preciso manter a campanha contra o inimigo com estratégia, colaboração, ciência, e firmeza, sem deixar que a fadiga vença a resistência, como os veteranos fazem com suas missões. Porque assim nunca mais entraremos de novo nesse mês. De luto, não seremos os mesmos. Vacinados, nunca teremos outro março igual.


César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje