Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 27 de fevereiro de 2021

César Oliveira

O prolongamento do coronavaucher

César Oliveira - 01 de fevereiro de 2021 | 18h 45
O prolongamento do coronavaucher
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Assim como critico duramente o tétrico comportamento de Bolsonaro na pandemia, em relação à saúde, elogio a atuação no aspecto econômico, pois conseguiu repassar grande volume de recursos para os estados, ajudou empresas, preservou empregos e fez o “coronavaucher”, fundamental para manter alimentada a população de 40 milhões de brasileiros que vivem na pobreza ou na extrema-pobreza. Além disso, esse dinheiro ajudou a manter o consumo, evitando saques e o aumento da criminalidade.

Com a persistência da pandemia, em 2021, a situação torna-se mais dramática, porque já não há reservas na população; o ritmo das doações de solidariedade tende a cair; e a economia ainda mantém um alto desemprego. Desse modo, considero fundamental a manutenção dessa ajuda, para quem mais precisa (com melhor fiscalização), por mais seis meses, pois, nesse tempo, pelo menos metade da população já deverá estar vacinada, facilitando a retomada.

O governo alega que não tem recursos, mas acaba de gastar R$ 3 bilhões em emendas, na eleição do Congresso; o Judiciário mantém seus penduricalhos milionários; a classe política mantém seus privilégios. Agora, é a hora do sacrifício, de mostrar que os civilizados discursos possuem alguma consistência.

O “coronavaucher” pode ser mantido de forma mais restrita, sem adicionais para mães, beneficiando um menor número de pessoas – já foram 67 milhões de brasileiros –, que tenham maior necessidade. Esta ajuda, mesmo restrita, produziria algum alívio, nesse extrato social tão espoliado.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje