Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 07 de março de 2021

Brasil

Federação de trabalhadores promete ajudar a resolver impasse com China e diz que ignorantes políticos não vão comprometer a boa relação entre os países

22 de janeiro de 2021 | 20h 10
Federação de trabalhadores promete ajudar a resolver impasse com China e diz que ignorantes políticos não vão comprometer a boa relação entre os países
Foto: Reprodução

Em reunião com o fórum das centrais sindicais brasileiras, nesta quinta-feira (21), a Federação Nacional dos Sindicatos da China (ACFTU) se comprometeu a colaborar no processo de liberação de insumos para a produção de vacinas contra a Covid-19 no Brasil. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o ACFTU é o sindicato oficial da China, ao qual todas as organizações de trabalhadores do país são afiliadas. Por isso é considerada a maior entidade sindical do mundo.

Diante da iminência da falta de insumos farmacêuticos para produzir as doses necessárias para dar segmento à campanha de vacinação no Brasil, a entidade decidiu se posicionar e intervir, a fim de evitar que o país deixe de receber a matéria-prima produzida na China, o que afetaria não apenas a fabricação da CoronaVac, mas também o imunizante da AstraZeneca/Oxford, vacina que, aqui, será fabricada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O entrave burocrático que culminou no atraso do envio das cargas tem relação com o desgaste diplomático entre Brasil e China, gerado ao longo do mandato do presidente Jair Bolsonaro, especialmente pela ações do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. O problema foi criticado duramente pela ACFTU. “As palavras de alguns ignorantes políticos não vão comprometer as relações amistosas entre a China e Brasil”, disse An Jianhua, membro da direção executiva da entidade.

O também chefe das relações internacionais da organização enfatizou que não medirá esforços para resolver a questão. “Vamos usar todos os nossos canais e esforços para levar a mensagem de vocês [centrais] ao governo central e ao Partido [Comunista Chinês] sobre as necessidades imediatas do povo brasileiro ante a pandemia”, destacou.

Segundo a Folha de S.Paulo, participaram da reunião Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB); Vagner Freitas, vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT); Miguel Torres, presidente da Força Sindical; Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT); José Reginaldo Inácio, vice-presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores; e Nivaldo Santana, vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).



Brasil LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje