Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 25 de fevereiro de 2021

Cultura

Polícia recupera artefatos históricos roubados da área onde Lampião foi morto

19 de janeiro de 2021 | 15h 58
Polícia recupera artefatos históricos roubados da área onde Lampião foi morto
Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal (PF) recuperou artefatos furtados da área onde Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião; a mulher dele, Maria Gomes de Oliveira, a Maria Bonita; e mais nove cangaceiros foram mortos, pela polícia, na Grota do Angico, localizada no município de Poço Redondo, a 174 quilômetros de Aracaju, no estado de Sergipe. A informação foi divulgada, nesta segunda-feira (18). Um inquérito foi instaurado, a fim de apurar a subtração dos objetos.

De acordo com o Uol, dentre o material recuperado, munições e cápsulas deflagradas (algumas, aparentemente, fabricadas entre os anos de 1912 e 1913), além de botões e prendedores de cabelo. De acordo com a PF, as peças foram furtadas por pesquisadores do cangaço, na Grota do Angico.

O local onde os artefatos furtados foram encontrados não foi divulgado. A PF também não informou os nomes dos investigados suspeitos de cometer o crime. “Essas pessoas vão até locais de confronto e acampamento dos cangaceiros, com detectores de metais, para buscar artefatos. São pessoas de boa índole, que se interessam pelo tema e têm vontade de montar acervos e até museus para preservação da história e dos itens em si, mas a retirada desses artefatos é proibida”, advertiu a Polícia Federal.

Realizar escavações e retirar quaisquer objetos de locais de interesse histórico configura crime, previsto no Artigo 63 da Lei n. 9.605/98, estando os autores sujeitos a penalidades.

A recuperação dos objetos, segundo o site, ocorreu durante instrução de inquérito policial para apurar o furto de artefatos em sítios arqueológicos e demais locais de interesse histórico, em Sergipe. “A investigação ainda está em andamento, motivo que impossibilita maiores detalhes”, comunicou a polícia.

O material foi entregue ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), para ser catalogado e preservado.

A Grota do Angico foi o local em que Lampião, Maria Bonita e os cangaceiros Alecrim, Colchete, Elétrico, Enedina, Luiz Pedro, Macela, Mergulhão, Moeda e Quinta-feira estavam acampados. Todos acabaram mortos, ao serem atacados de surpresa, pela polícia armada oficial, mais conhecida como Volante, no dia 28 de julho de 1938. Eles foram decapitados e suas cabeças expostas nos municípios de Piranhas e Maceió, localizados no estado de Alagoas, e em Salvador, na Bahia.

Na capital baiana, a tutela dos restos mortais do bando ficou a cargo do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, até 1969, quando as cabeças foram, finalmente, devolvidas às famílias, para sepultamento.



Cultura LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje