Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 29 de outubro de 2020

Segurança

Justiça nega pedido de Suzane von Richthofen para ir ao regime aberto

17 de setembro de 2020 | 15h 34
Justiça nega pedido de Suzane von Richthofen para ir ao regime aberto
Foto: Divulgação
A Justiça negou nesta quinta-feira (17) o pedido de progressão ao regime aberto de Suzane Von Richthofen, condenada a 39 anos pela morte dos pais. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, por quatro votos a um. A presa segue cumprindo a pena no regime semiaberto, com direito a saídas temporárias.
 
O pedido para que Suzane deixasse a prisão foi feito pela Defensoria Pública em 2018, quando atingiu o tempo necessário da pena para a progressão. À época, o pedido já havia sido negado em primeira instância, mas a defesa recorreu pedindo que fosse reanalisado, mas em segunda instância.
 
Suzane está presa desde 2004 e cumpre pena na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier. O G1 apurou que, além de ter cumprido o tempo exigido da pena para a progressão, ela tem cerca de três anos de remissão de pena por trabalhos na unidade prisional e tem atestado de bom comportamento pela unidade prisional.
 
Ela segue tendo direito aos benefícios do regime semiaberto, como saídas temporárias. Suzane von Richthofen obteve a progressão do regime fechado para o semiaberto em outubro de 2015. A primeira saída dela aconteceu em março de 2016, beneficiada pela saída temporária de Páscoa.
 
A Defensoria Pública, autora do pedido e que atuou como defesa dela, disse que não foi notificada da decisão. A partir de agora, Suzane tem uma nova advogada no caso.
 
De acordo com a lei, durante o cumprimento da pena, seguindo alguns requisitos, o preso pode progredir de regime, para ser, aos poucos, reinserido à sociedade. Em novembro de 2018, Suzane era representada pela Defensoria, que fez o primeiro pedido para progressão ao regime aberto.
 
À época, a Justiça pediu exames psicológicos complementares à Suzane, o que desacelerou o processo. No exame de Rorschach, os laudos teriam atestado que a presa teria traços de egocentrismo, infantilidade e narcisismo, o que foi usado como base para mantê-la em cárcere.
 
A defesa recorreu ao Tribunal de Justiça em São Paulo. Em março de 2019, o colegiado do Tribunal de Justiça decidiu mantê-la presa, mas não por unanimidade. A decisão foi por 2 votos a 1, com a posição favorável do relator.
 
Com isso, a defesa moveu novo recurso, um embargo infringente. Com o instrumento, o colegiado é ampliado para cinco votos e o pedido foi novamente analisado nesta quinta-feira.
 
Suzane von Richthofen cumpre pena pelo assassinato dos pais em 2002. Manfred e Marísia von Richthofen foram mortos a pauladas enquanto dormiam. O crime foi cometido pelos irmãos Cravinhos, à época namorado e cunhado de Suzane.
 
Ela foi chegou a ser presa em 2002, mas depois foi posta em liberdade e presa definitivamente em 2004 após o julgamento. Ela foi julgada e condenada a 39 anos de prisão pelo crime.
 
Desde 2006, cumpre pena na Penitenciária Feminina de Tremembé por segurança. Em 2015, ela conseguiu progressão ao regime semiaberto. Ela deixou a prisão em saída temporária pela primeira vez em março de 2016.
 
Suzane mantém relacionamento com o irmão de uma interna que conheceu na prisão. Em suas saídas temporárias, fica na casa da família, em Angatuba.


Segurança LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje