Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 28 de outubro de 2020

Saúde

Brasil é incluído na cúpula da aliança mundial de vacinas

10 de setembro de 2020 | 09h 31
Brasil é incluído na cúpula da aliança mundial de vacinas
Ministro da saúde, Eduardo Pazuello. (Foto: Reprodução / Agência Brasil)

O Brasil foi incluído como um dos 25 membros do conselho da aliança mundial de vacinas contra a covid-19, conhecido como ACT. A primeira reunião ocorre nesta quinta-feira (10) e contará com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

 

A meta da iniciativa é acelerar pesquisas em diagnósticos e tratamento, além de coordenar a distribuição mundial de uma vacina. De acordo com o Uol, porém, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que conta com apenas 10% dos recursos necessários para que o projeto possa funcionar.

 

A inclusão do Brasil no grupo ocorre pela dimensão de seu mercado e por sua influência, diante de sua população, para determinar preços e volumes da vacina no mundo.

 

A reportagem narra que a iniciativa, comentam fontes dentro do Itamaraty, mostra os limites da narrativa do governo brasileiro de criticar novos organismos internacionais e questionar o multilateralismo como solução para problemas globais.

 

Além do Brasil, essa categoria de países incluiria China, África do Sul, Rússia e Índia. Uma segunda categoria envolver apenas países com forte capacidade de doação de recursos, entre eles Canadá, Alemanha, Japão, Noruega e França. O conselho ainda incluiria grupos regionais, tais como a União Africana, OEA ou a Liga Árabe, além da sociedade civil e entidades internacionais como o Banco Mundial e a OMS.

 

Em abril, a OMS reuniu governos de várias partes do mundo para fazer parte da aliança, que ganhou o nome de ACT. Um de seus mecanismos seria o Covax, uma espécie de consórcio destinado a garantir estoques de vacinas e um plano de distribuição mundial.

 

A meta é de que o fundo evite uma corrida mundial pela vacina e uma guerra financeira, deixando milhões de pessoas em países mais pobres sem o produto. Num primeiro momento, todos os países que fazem parte da aliança receberiam o equivalente a 3% de sua população. Os produtos seriam destinados a vacinar acima de tudo profissionais de saúde.

 

Numa segunda etapa, idosos e pessoas com doenças crônicas seriam vacinados, o que representaria 20% da população desses países.

 

Num primeiro momento, porém, o Brasil não fez parte da iniciativa, gerando preocupação por parte de parlamentares e profissionais de saúde. Naquele momento, procurado pela reportagem, o governo disse que estava negociando sua participação em outras alianças. Dentro do Itamaraty, havia uma resistência em se aproximar a projetos da OMS, criticada duramente pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

O governo, semanas depois, enviou uma carta às organizações internacionais manifestando seu interesse em fazer parte do plano.

FONTE: Bahia Notícias



Saúde LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje