Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 06 de agosto de 2020

César Oliveira

Pequenos gestos, grandes atitudes

César Oliveira - 28 de julho de 2020 | 18h 10
Pequenos gestos, grandes atitudes
Caminhamos, implacavelmente, para 100 mil mortos. Uma tragédia inimaginável e uma perda irreparável. O número, no entanto, é muito menor do que seria se tivéssemos adotado a eugenista e genocida imunidade de rebanho a respeito da qual não se sabe o percentual, ou mesmo, se existe. E não se chega a ela sem um latifúndio de mortes, muitas delas evitáveis, pois, o sistema de saúde entra em colapso.
 
A sobrevivência a essa pandemia para os 80% assintomáticos, é tranquila; para os 20% sintomáticos, é um delicado equilíbrio entre imunidade, tempestade inflamatória, velocidade de aparecimento dos contagiados, tamanho e expertise da rede de saúde. E para que a rede se expanda e a ciência aprenda, o distanciamento social é fundamental.
 
Já se tornou cansativo repetir que ele alonga a curva, embora insistam em negar os exaustivos dados que estão em todos os noticiários e um excelente estudo publicado na Nature, com sequenciamento genético do vírus, que mostrou que o contágio caiu de 3, para 1, ou 1,6, no Brasil, após as medidas não farmacológicas de combate a pandemia.
 
É preciso rebater outro sofisma inconsistente que repete o bordão: estava em isolamento e se contaminou, fique em casa, para morrer. Chega a ser abjeta a manipulação. Nunca li, em nenhum lugar, que isolamento impediria, totalmente, que alguém se contaminasse, pois, quase nunca há isolamento total. Sempre há interação. O que se reduz é a probabilidade. É o inverso da loteria. No jogo, quanto mais cartelas você aposta, maior a chance de ganhar. No distanciamento, é o contrário.
 
Um derradeiro sofisma apela dizendo que a maioria das contaminações dos confinados, foi em casa. É claro. Isso é amostra populacional. Como a esmagadora maioria está em casa, o número de contaminações - feitas por quem veio da rua- será maior na população confinada, mas essa será sempre menor do que se todos estivessem nas ruas ao mesmo tempo.
 
O distanciamento social tem funções específicas: alongar a curva de aparecimento dos casos de modo que ela não leve o suporte de saúde ao colapso, permitir a ampliação de leitos, compra de insumos, testes ( o que o Brasil, não fez), treinamento da rede. Além disso, ele permitiu que fosse adquirida expertise sobre a doença, pelos profissionais, melhorando as intervenções e sobrevida. Foi assim que tivemos tempo de aprender sobre as fases da doença (I, IIa, IIb, 3, 4), as terapêuticas adequadas a cada uma delas, reconhecermos a utilidade da dexametasona, desistirmos da entubação precoce, aprovarmos o redemsavir, reconhecermos a inutilidade da cloroquina em casos graves, moderados e leves, restando provar o uso ainda mais precoce, descobrirmos o papel dos distúrbios da coagulação.
 
O tempo permitiu avançar em todos esses – e outros- conhecimentos, modificar a forma de tratar a doença levando a um fundamental impacto na sobrevida dos pacientes, e ainda está nos dando a chance de criar a vacina. Evidente que a medida que a pandemia vai se deslocando, ela abre a possibilidade de retomada da economia nos locais por onde ele já teve seu pico.
 
É por isso que precisamos agradecer a cada um que contribuiu, participou, ficando em casa, o possível. Muitas pessoas estão salvas graças ao gesto, anônimo, mas fundamental de manter o distanciamento, isolamento, quarentena, toque de recolher, lockdown, ou o que foi necessário.
 
Reconhecer o esforço de quem não se deixou iludir pelos arautos do apocalipse econômico que sugeriam que podia haver economia sem saúde. Não são apenas os médicos e agentes de saúde que estão sendo heróis, nessa luta. Cada um de vocês foi um gigante no seu pequeno gesto de recolhimento. Eu os reconheço.


César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje