Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 11 de agosto de 2020

André Pomponet

Feirense revoga a pandemia e vai passear no comércio

André Pamponet - 22 de julho de 2020 | 14h 13
Feirense revoga a pandemia e vai passear no comércio
Foto: Reprodução
Logo nas primeiras horas da manhã foi possível perceber que ontem (21) haveria movimento intenso na Feira de Santana. Talvez tenha sido o dia mais agitado desde a segunda quinzena de março, quando começaram as restrições à circulação decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Tudo por conta da reabertura do comércio, que atraiu gente ávida para o centro da cidade. Nem a chuva miúda – gotas diáfanas, quase invisíveis – esfriou o ânimo consumista. 
 
Em vias como a avenida Maria Quitéria a lentidão no trânsito resgatou até a estridente sinfonia das buzinas. Aqui ou ali, um motorista exasperado tentava forçar uma ultrapassagem, inconformado com o fluxo mais vagaroso. Quem chegava ao centro da cidade se deparava com mais contratempos: quase não havia espaço para estacionar pelas vias, bem desertas nos últimos meses.
 
Imagens e fotografias circularam freneticamente confirmando o ir-e-vir de pedestres pelas avenidas abarrotadas, pelos becos fervilhantes, pelas praças prenhes de consumidores. A lama e as retenções no trânsito provocados pelas obras da prefeitura incomodaram pouco. Carros, ônibus – abarrotados, como sempre – e pedestres celebraram a reabertura respingados pela lama.
 
Não faltou nem a vertiginosa procissão de motos e de motociclistas que, aflitos, buzinavam ou aceleravam com fúria nos semáforos fechados ou nos constantes engarrafamentos. As intermináveis filas nas agências bancárias e nas lotéricas chamaram pouca atenção ontem, diluindo-se no frenesi insano de quem, finalmente, começa a resgatar a rotina interrompida pela Covid-19.
 
O problema é que a pandemia, na melhor das hipóteses, apenas alcançou o aguardado platô. Segundo respeitáveis autoridades médicas, há um longo – e tortuoso e incerto – caminho até os números começarem, de fato, a declinar. Não há, portanto, razões para sair por aí, ávido, circulando, figurando em aglomerações, expondo-se e, por tabela, expondo até os próprios familiares.
 
Albert Camus, em “A Peste”, descreveu muito bem o clima psicológico quando a peste bubônica finalmente foi debelada em Oran, lá na Argélia. Freneticamente, reatavam-se amores e relacionamentos, gastava-se com temerária prodigalidade, comia-se e bebia-se com apetite redobrado; enfim, dedicava-se, num afã, aos pequenos e grandes prazeres que a epidemia tolheu durante meses. Naquela janela psicológica, vivia-se, de fato, como se não houvesse amanhã.
 
Por aqui, vê-se muita gente que parece arrebatada por esse clima. Lá adiante, tudo bem: a questão é que, por enquanto, a pandemia não acabou. Pelo contrário: todo dia morrem mais de mil brasileiros. Mas, quem se dedica, com ardor impudente, à festa do consumo e à celebração não está nem aí para o que acontece com seus patrícios. Talvez nem consigo mesmos. 
 
Aliás, não são só eles: o tom que se irradia a partir do Planalto Central, lá da república de Rio das Pedras, é bem esse. A propensão para a morte, sacramentada pelas urnas em 2018, parece longe de se exaurir em muitos...


André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje