Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 07 de junho de 2020

Economia

FMI: previsão de recuperação no próximo ano depende de como pandemia será contida

31 de março de 2020 | 15h 01
FMI: previsão de recuperação no próximo ano depende de como pandemia será contida
Foto: Reprodução
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou nesta terça-feira (31), que a previsão do fundo para uma recuperação econômica no próximo ano dependem do resultado das ações de contenção da pandemia e de uma redução do nível de incerteza.
 
"Nossa previsão de uma recuperação no próximo ano depende de como conseguiremos conter o vírus e reduzir o nível de incerteza", disse Georgieva, em conferência telefônica com ministros de finanças e presidentes de bancos centrais dos países do G20.
 
Na semana passada, a chefe do FMI apontou que este ano deverá registrar uma recessão "pelo menos tão ruim quanto durante a crise financeira global, ou pior", mas que uma recuperação é esperada em 2021.
 
"Para chegar lá, é fundamental priorizar a contenção e fortalecer os sistemas de saúde – em todos os lugares. O impacto econômico é e será severo, mas quanto mais rápido o vírus parar, mais rápida e forte será a recuperação", disse ela na ocasião.
 
Nesta terça, Georgieva disse que são bem vindas as ações decisivas tomadas por muitos países para proteger as pessoas e a economia da Covid-19, que levaram a um declínio na volatilidade nos principais mercados financeiros nos últimos dias.
 
"No entanto, continuamos muito preocupados com as perspectivas negativas para o crescimento global em 2020 e, em particular, com a tensão que uma desaceleração teria nos mercados emergentes e nos países de baixa renda", afirmou. "Assim, apoiamos um plano ambicioso do G20 para fortalecer a capacidade dos sistemas de saúde para lidar com a epidemia; estabilizar a economia mundial por meio de medidas oportunas, direcionadas e coordenadas; e pavimentar o caminho para a recuperação".
 
A dirigente destacou que o Conselho Executivo do fundo aprovou, na última quinta-feira, uma reforma do chamado Fundo de Contenção e Alívio de Catástrofes, que vai permitir que os países mais pobres invistam na resposta à pandemia em vez de pagar suas dívidas com o FMI.


Economia LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje