Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 06 de junho de 2020

Segurança

Ex-capitão Adriano da Nóbrega já chefiou escolta de bicheiro morto ao deixar Sapucaí

01 de março de 2020 | 10h 29
Ex-capitão Adriano da Nóbrega já chefiou escolta de bicheiro morto ao deixar Sapucaí
Foto: Reprodução
Dezesseis dias e mais de mil quilômetros separam as mortes do ex-capitão Adriano da Nóbrega e do bicheiro Alcebíades Garcia, o Bidi. O ex-oficial do Bope foi morto no último dia 9 numa operação da PM na Bahia. Já o contraventor foi executado quando voltava do Sambódromo, na madrugada do dia 25. As duas vítimas, entretanto, tiveram relações muito próximas: segundo inquéritos obtidos pelo Extra que tiveram o ex-PM como alvo, o primeiro trabalho executado por Adriano para a máfia que domina o jogo do bicho e máquinas caça-níqueis no Rio foi o de chefe da segurança da Bidi, em 2005. A Polícia Civil investiga se há alguma conexão entre as duas mortes.
 
Um depoimento prestado à Polícia Civil em julho de 2008 detalha como Adriano foi recrutado para trabalhar para Bidi. O relato foi dado pelo pecuarista Rogério Mesquita, braço direito e administrador das fazendas do bicheiro Waldemir Paes Garcia, o Maninho, irmão de Bidi. Segundo Mesquita, ele mesmo indicou a Bidi, no início de 2005, o nome de Adriano para ser chefe de sua segurança.
 
À época, Bidi estava envolvido numa guerra familiar pelo espólio criminoso de Maninho, assassinado a tiros no ano anterior. O bicheiro morava em Roraima e, após a execução do irmão, voltou ao Rio para assumir os negócios da família. Rogério alegou que “viu que Bidi era uma pessoa que não tinha noção do que estava assumindo e, numa conversa, disse que ele deveria se precaver e contratar um corpo de seguranças que pudessem trazer mais tranquilidade”.
 
Mesquita, então, indicou um nome de sua confiança: o então tenente Adriano da Nóbrega, “com quem tinha um laço de amizade”. O pecuarista era uma uma espécie de “padrinho” do ex-PM. Mesquita o conhecia desde a adolescência, pois o pai de Adriano morava num lote dentro do Haras Modelo, em Cachoeiras de Macacu, interior do Rio, propriedade de Maninho administrada pelo pecuarista. Mesquita alegou que, na época, Adriana passava por “dificuldades financeiras”.
 
Bidi aceitou a sugestão. Adriano, entretanto, estava preso na época — havia sido acusado do homicídio de um flanelinha na favela de Parada de Lucas. Segundo Mesquita, o PM e o contraventor fizeram, então, um trato: ele receberia um salário de R$ 5 mil para indicar PMs do Bope para integrarem a escolta de Bidi.
 
14 seguranças do Bope
 
O acordo entre Bidi e Adriano também previa que, enquanto o PM estivesse preso, ele indicasse outro oficial para chefiar a escolta. Segundo Mesquita, Adriano recrutou um capitão da sua turma no curso de formação de oficiais e que também tinha passagem pelo Bope. Esse oficial também recebeu mesada de R$ 5 mil por um ano, até Adriano sair da cadeia. Depois, foi liberado. Atualmente, o colega de Adriano foi promovido a major e ainda está na PM.
 
Mesquita detalhou como funcionava a escolta de Bidi: 14 PMs foram recrutados por Adriano para se revezarem na segurança do bicheiro, numa escala de 12 por 36 horas — que conciliavam com os períodos em que trabalhavam na PM. Segundo o pecuarista, Adriano só recrutava PMs do Bope.
 
Após sair da cadeia, Adriano não passou muito tempo trabalhando para Bidi. Conhecido como um policial operacional altamente capacitado e bom atirador, o agora capitão foi contratado por outro integrante da família que desejava ascender na hierarquia: José Luiz de Barros Lopes, o Zé Personal, então marido de Shanna Garcia, filha de Maninho.
 
Adriano virou, então, responsável pela segurança das máquinas caça-níqueis da família. Paralelamente, começou a matar desafetos a mando do novo chefe.
 
Quatro agentes identificados
 
A investigação interna da PM que culminou com a expulsão de Adriano da corporação por sua relação com a contravenção conseguiu identificar quatro policiais do Bope recrutados por ele para trabalhar na escolta de Bidi. À época, os PMs foram reconhecidos por um porteiro do prédio onde funcionava o escritório do contraventor, em Ipanema.
 
Após a descoberta, três dos PMs foram afastados do Bope. O quarto agente havia sido expulso da corporação por conta de excessos que teria praticado como instrutor do curso que dá acesso ao Bope.
 
Ao contrário de Adriano, os agentes não foram expulsos da PM: atualmente, os quatro são sargentos e seguem na corporação. O policial que havia sido expulso conseguiu ser reintegrado. Atualmente, eles ainda são lotados no Bope.
 
Rastro de sangue
 
Em 2008, Rogério Mesquita procurou a Delegacia de Homicídios (DH) para denunciar crimes cometidos por Adriano. Na época, o pecuarista afirmou que estava sendo ameaçado de morte pelo “afilhado” e que foi vítima de um atentado em Cachoeiras de Macacu que havia sido planejado e executado por Adriano.
 
Alcebíades Paes Garcia, em 2007, pouco depois de contratar AdrianoAlcebíades Paes Garcia, em 2007, pouco depois de contratar Adriano Foto: Guilherme Pinto
No relato, Mesquita apontou Adriano como autor de uma série de mortes, como as de Carlos Alberto Alano, o Carlinhos Bacalhau, funcionário de Maninho assassinado no Centro do Rio, e do ex-deputado Ary Brum, executado na Linha Amarela — ambas em 2007.
 
O pecuarista foi morto seis meses após o depoimento, em janeiro de 2009, na esquina das ruas Visconde de Pirajá e Maria Quitéria, a cerca de cem metros da Praia de Ipanema. Um homem que desceu da garupa de uma motocicleta Honda Falcon, de cor preta, e disparou um tiro contra a nuca de Mesquita. Adriano nunca foi acusado pelo crime.
 
Em setembro de 2011, Zé Personal, que passou a ser chefe de Adriano depois de Bidi, foi assassinado dentro de um terreiro de candomblé, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio. O então capitão foi investigado como responsável pelo crime: sua motivação seria se livrar do antigo chefe para ascender na quadrilha. Ele também nunca respondeu pelo crime.
 
Em 2014, Adriano foi expulso da PM e, junto com mais outros dois ex-policiais, fundou o Escritório do Crime. Já famoso no submundo do crime pelos assassinatos “perfeitos”, o trio passou a cobrar até R$ 200 mil pelos serviços. A polícia sabe que, além de pistoleiro, Adriano também tinha pontos de jogo do bicho e máquinas caça-níqueis. Por isso, a DH apura se a morte de Adriano, na Bahia, causou alguma mudança no mapa da contravenção no Rio.

FONTE: Extra



Segurança LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje