Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 03 de abril de 2020

César Oliveira

O tom atual e o medo do futuro

César Oliveira - 21 de fevereiro de 2020 | 16h 48
O tom atual e o medo do futuro

É lamentável que o clima de torcida esteja deturpando o debate e as ações que o país precisa. De um lado, de forma muito preocupante,ele é estimulado pelo presidente Bolsonaro em tom cada vez mais agressivo e isolacionista- Congresso, governadores, imprensa- como se não houvesse ninguém digno em todo esse grupo, e por seus aloprados de estimação que tem menos espaço no governo do que os ministros que mostram serviço como Moro, Tarcisio, Guedes.

Do outro lado, por oportunistas de olho no poder, oposicionistas seriais, e formadores de opinião que sempre ocuparam o paraíso das verbas estatais, das sinecuras sindicais, do patrocínio fácil, da tolerância leniente, e que precisam da beligerância do governo para garantir sua própria sobrevivência já que seu discurso foi dilacerado pela corrupção monumental liderada por Lula e seu PT.

Acontece que nessa escalada em que cada poder é um reator sem limites, exibindo seus discursos radioativos, suas disputas que travam o país, mais por interesses do que divergências consistentes, e em que o Presidente parece mergulhado no vazio, nos leva a um caminho perigoso. Cito o presidente porque lhe cabe a maior responsabilidade, embora isso também caiba a todas as instituições politícas e judiciais da nação.

Mesmo a agenda positiva que o governo tinha no começo parece substituído pelas disputas estéreis, milicianas, que fragilizam a operacionalidade administrativa. Não custa alertar que a economia da China vai dar uma séria balançada e que a crise política, por lá não está afastada, e nossa dependente economia pode ser vítima, piorando esse caldo. Fosse pouco, o dólar bateu em R$4,4 reais e Guedes teve de se reunir com Bolsonaro para ser convencido a ficar. Não é bom quando um Ministro como ele- de sangue quente, diferente de Moro-, precisa estar sendo convencido a ficar no governo.

O que quero dizer é que é preciso muito cuidado com quem vibra com o chute na canela do adversário- de qualquer lado-, pois esse tipo de jogo não costuma ter bom resultado. E nós estamos vivendo perigosamente - basta ver a crise policial-, e eu não sei se isso vai acabar bem, se não mudarmos a direção.

Administre seu ódio, controle sua vontade de eliminar adversários, lute por medidas corretas e não saia tentando justificar tudo e qualquer coisa, de qualquer lado, pois, podemos caminhar para um ponto de não retorno.

E não será bom.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje