Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 02 de junho de 2020

Segurança

Justiça contraria família e proíbe cremação do corpo de miliciano morto na Bahia

12 de fevereiro de 2020 | 14h 16
Justiça contraria família e proíbe cremação do corpo de miliciano morto na Bahia
Foto: Divulgação
Contrariando o desejo da família, a Justiça do Rio de Janeiro proibiu, nesta quarta-feira (12), a cremação do corpo do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, que foi morto no último domingo em Esplanada, no interior da Bahia. A decisão foi da magistrada Maria Izabel Pena Pieranti.
 
Segundo o G1, a cerimônia estava prevista para as 10h desta quarta no Crematório do Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, Zona Portuária do Rio.
 
Em sua decisão, a juíza do plantão judiciário, Maria Izabel Pena Pieranti, diz que "que não se encontram preenchidos os requisitos previstos na Lei de Registros Públicos (lei 6.075/1973)". Segundo a juíza, não constam no pedido documentos imprescindíveis para a cremação, como a cópia da Guia de Remoção de Cadáver e o Registro de Ocorrência.
 
A juíza reitera, ainda, que Adriano não morreu de causas naturais e que, segundo consta em sua certidão de óbito, ele sofreu anemia aguda e politraumatismo causados por instrumento perfuro-cortante.
 
Nas redes sociais, o senador Flávio Bolsonaro – que é filho do presidente Jair Bolsonaro – se posicionou contra a cremação. "Acaba de chegar a meu conhecimento que há pessoas acelerando a cremação de Adriano da Nóbrega para sumir com as evidências de que ele foi brutalmente assassinado na Bahia. Rogo às autoridades competentes que impeçam isso e elucidem o que de fato houve", pontou.
 
Adriano da Nóbrega era citado na investigação que apura a prática de "rachadinha" no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro, quando era deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro na (Alerj). 


Segurança LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje