Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 23 de setembro de 2020

César Oliveira

Não vai ter guerra e não vamos agourar o futuro

César Oliveira - 10 de janeiro de 2020 | 13h 24
Não vai ter guerra e não vamos agourar o futuro
Trump, presidente americano

Escrevi no primeiro dia, mas vou repetir: não vai ter guerra. O Irã não tem sequer arma nuclear e quem não tem, discute, mas não faz guerra de aniquilamento com quem tem, muito menos com a mais poderosa nação militar do planeta- só para lembrar  os EUA tem 11 porta-aviões nucleares, mais que a soma de todos os demais países juntos-, e que tem um presidente que não é contido pelo politicamente correto.

Soleimani, o carniceiro chefe do terror, já tinha espalhado sua marca assassina no mundo inteiro- lembrem da Mesquita, em Buenos Aires-, e em especial nos países vizinhos, atacando petroleiros, refinarias, Embaixada americana, apostando, talvez, que a eleição nos EUA iria inibir Trump. Os EUA mostraram que não, e que tem um nível de monitorização e vigilância que lhe permitiu eliminar o terrorista sem sequer precisar de tropas: o fez com um drone. Para bom entendedor um drone com mísseis, basta.

Evidente que o IRÃ vai brandir ameaças, como sempre. Aliás, em resposta fez aquele ataque a duas bases americanas com mísseis- após avisar-, e disse que se os EUA atacar de novo a resposta será ainda maior e que tinham aplicado  um " tapa na cara" de Satã.  Um evidente jogo de cena.

Os EUA, por sua vez, depois da pancada letal e milimétrica, que desarticulou a linha de atentados ao cortar a espinha nevrálgica do terror, deixou o IRÃ destruir uns helicópteros para que o governo dê satisfação interna, e apelou à paz, agora que o recado foi dado. Trump, goste-se ou não, agiu como mestre.

O Oriente Médio- e o mundo-, não ficaram mais inseguros e, sim, mais protegidos, até o Irã refazer seus atores do terror. Talvez, no futuro, faça um atentado em algum lugar, mas não vão declarar guerra, pois, sabem que seriam aniquilados antes de ajoelharem para orar.

Então, vamos parar de torcer para ter guerra, voltar a pagar os boletos, deixar de estocar farinha de copioba para emergências e tocar a vida. Em paz.



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje