Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 11 de novembro de 2019

André Pomponet

Há quase um século, Feira vencia torneio intermunicipal

André Pomponet - 29 de outubro de 2019 | 22h 16
Há quase um século, Feira vencia torneio intermunicipal

Pouca gente deve saber, mas há quase um século a Feira de Santana sagrava-se campeã de um torneio de futebol intermunicipal. As páginas do Jornal A Flor – que circulou na primeira metade do século passado aqui no município – registraram a façanha da seleção local, lá nos primórdios do futebol na Bahia. A Fundação Senhor dos Passos resgatou a publicação, que ganhou versão impressa recentemente.

O texto sobre o troféu está nas páginas dois e três da edição 33, do domingo, 18 de dezembro de 1921. São quase 98 anos, portanto. A matéria realça que a equipe foi recebida com festa: “Da capital, chegaram aqui em o regular das 9 horas, na segunda-feira, a nossa embaixada com os denodados campeões, que tão brilhantemente souberam pelejar, no campo da Graça, para conquistar a victoria entre nove adversários”.

O campo da Graça foi o primeiro estádio da capital. Por lá, passou até a Seleção Brasileira. No torneio que consagrou os feirenses, Ilhéus, Castro Alves e Cachoeira eliminaram Santo Amaro, São Félix e São Gonçalo dos Campos. Feira encarou Muritiba e saiu vitoriosa: “Após o tempo determinado, sahio vencedora a nossa equipe com o ‘scor’ de 1x0. A assistência vibra de enthusiasmo”.

Depois veio a confusão: “Chegaram ao certame três cidades inclusive Itaparica, que foi chegando naquelle momento”. Isso depois da primeira rodada: a publicação critica a desorganização do evento e a intervenção do “Dr. Medeiros Netto”, que apresentou uma solução: Feira enfrentaria Itaparica, “enquanto o quadro de Ilheos descansava à vontade”, conforme reclamação registrada em A Flor.

Os feirenses atropelaram os adversários da ilha: “Iniciou-se o jogo, e os nossos jogadores agiram com calma e perícia, levando brilhantemente de vencida o ‘team’ de Itaparica, com o ‘score’ de 3x1”. O resultado credenciou o time feirense a enfrentar Ilhéus na final, sob intensa expectativa.

Começou, enfim, a decisão e, na “sensacional peleja”, os ilheeenses atacaram “durante o primeiro tempo, às tontas, sem combinação”. A atuação da defensa feirense foi exaltada: “Agio com precisão, defendendo admiravelmente os pelotaços adversários”.

No segundo tempo veio a reação feirense: “Os nossos pebolistas não desmentiram a fama que gosavam”. O redator entusiasmou-se tanto que não mencionou o placar – deduz-se, pelo texto, que ficou no um a zero, com gol de pênalti – e nem o autor do gol do título. Mas não poupou referências à comemoração: “Após poucos minutos, terminou a tradicional peleja, ficando o “scratch’ feirense com o título de campeão, e a penalidade que nos deu o triunpho, fulgurante e viva, defendida heroicamente pelos nossos players da gana fervorosa do scratch de Ilheos que lutou com um esforço titânico”.

Quem foram os heróis da conquista? A publicação faz referência a Jonga, “nosso admirável ponta-esquerda”, além dos defensores Luizinho e Zeca, classificados como “heroes”. Outros protagonistas do feito quase centenário: “Diógenes, Dudu, 69 e Dôta”.

Naqueles tempos distantes de cidade miúda, o feito do “scratch” feirense certamente rendeu muitos comentários pelas esquinas, na feira-livre da segunda-feira, nos dias que antecederam o Natal.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje