Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 14 de outubro de 2019

André Pomponet

A fábrica de medalhas do Legislativo feirense

André Pomponet - 29 de setembro de 2019 | 20h 14
A fábrica de medalhas do Legislativo feirense
Casa da Cidadania Foto: Acorda Cidade

Que a Câmara Municipal se especializou na distribuição de comendas e medalhas não é novidade.Boa parte da população, inclusive, sabe da prática. Antigamente a concessão era mais avara, havia algum critério, resquícios de pudor. Hoje se desavergonhou: pelo plenário desfilam ilustres desconhecidos saudados com discursos chochos, enfatiotados em paletós pouco habituais, gaguejando as virtudes da Feira de Santana. Exaltar as virtudes é manobra esperta: a maioria se resumiu a cuidar da própria vida e, contribuição efetiva à cidade, deram nenhuma. Mas é necessário fingir, manter o mistério, justificar a honraria.

Muita gente se diverte pelos bastidores com essa fábrica de homenagens. Debocham, farejam intenções ocultas no agrado. Aqui ou ali, jocosamente, há quem se refira a um vereador ou outro como “Zé das Medalhas”. “Zé das Medalhas” foi uma personagem de uma novela de muito sucesso na década de 1980. Tomaram o apelido emprestado, porque traduz com rara felicidade o sentido da pilhéria.

Às vezes, uma figura graúda – que sequer lembra da Feira de Santana – é alçada à condição de comendador ou de cidadão feirense. Sabe Deus se todo mundo vem receber o agrado. Alguns devem desdenhar. Outros, atarefados, passam apressados por aqui, embolsam a medalha, fazem uns elogios protocolares garimpados por algum assessor e vão embora.

Talvez por falta do que fazer, a Câmara Municipal resolveu investir nessas honrarias nos últimos dias. Foram brindadas duas personagens graduadas da República: Jair Bolsonaro, o “mito” – aquele que chamou os governadores nordestinos de ‘paraíbas’ – e Damares Alves, ministra, a que se notabilizou pelo episódio da goiabeira, logo no início do governo.

“Mito” visitando Feira

O “mito” já pisou o solo feirense? Se não, tem um bom pretexto para visitar a cidade, que fica na porção meridional da imensa ‘paraíba’ que, para os letrados, corresponde ao Nordeste. Virá receber a medalha. Aqui, no prédio imponente do Legislativo, poderá contar piadas deploráveis de baiano – uma variação geográfica do ‘paraíba’ –, porque todos gargalharão escandalosamente, encantados com seu senso de humor.

Quem sabe se não aparece um pintor conservador – fervoroso patriota – para reproduzir a cena para a eternidade? Poderiam optar até por um daqueles painéis imensos que, no passado, viam-se com frequência. Traço sisudo, com todo mundo com expressão digna, à altura das reverências ao “mito”. Imagens do gênero – coisa do século retrasado – ainda se veem em museus espalhados pelo mundo.

Vai que, num surto de generosidade, o “mito” resolve conhecer as belezas da ‘paraíba’ feirense? Percorreria viadutos e trincheiras – seria necessário bloquear o trânsito para evitar engarrafamentos –, entraria em êxtase ao saber que restam poucas árvores no perímetro urbano e se resguardaria do calor insano em gabinetes refrigerados cujo acesso não é franqueado à patuleia.

Concurso para Vereador

A prolífica produção dos “Zés das Medalhas”, porém, bloqueia o debate necessário sobre os problemas da cidade. A cada legislatura, a situação torna-se pior. Mais recentemente, elevou-se a tendência de conceder honrarias, celebrar efemérides e esmerar-se em rapapés. Isso costuma render muito discurso inútil. Descontando as honrosas – e raras – exceções de praxe, não há parlamentar para conduzir um debate mais qualificado.

Servidor público – espécie que caminha para a extinção no país das “boquinhas” – ingressa no Estado mediante concurso público. Habilidades e competências são cobradas para o exercício da função. Alguns processos seletivos são extremamente disputados. Esculhambam, mas boa parte dos servidores brasileiros são muito qualificados.

Por que não se adota critério semelhante para o Legislativo e o Executivo? Uma prova simples que ateste conhecimentos. Depois, o candidato disputa o voto do cidadão, da mesma forma que é hoje. É óbvio que a fórmula não é perfeita, mas o filtro ajudaria a expurgar muitas incapacidades que sem veem por aí, abundantes.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje