Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 14 de outubro de 2019

André Pomponet

Vexame à vista lá na Assembleia da ONU

André Pomponet - 23 de setembro de 2019 | 12h 38
Vexame à vista lá na Assembleia da ONU

A imprensa brasileira noticia que amanhã (24), na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, Jair Bolsonaro, o “mito”, vai fazer um discurso para tentar mudar a imagem do Brasil lá fora. O noticiário insinua que as palavras vão produzir um efeito mágico: diluirão a fumaça das queimadas, as ações de desmonte dos órgãos ambientais, o descaso e o desrespeito com o meio ambiente, uma das marcas da desastrosa gestão iniciada em janeiro. A questão é que, lá, na plateia, não estará um crédulo magote de piraquaras brazucas.

O “mito” passou décadas arrotando macheza. Na campanha eleitoral, esbravejava aqui ou ali, cercado da tradicional claque. Só que acabou salvo dos debates por uma facada providencial. Mas, quando assumiu a presidência da República, os brasileiros tiveram noção exata de suas constrangedoras limitações.

Bastaram uns poucos dias para se perceber que o ex-capitão não tem credenciais nem para despachar certificado de reservista em Tiro de Guerra de fundo de província. O ódio, o rancor, a mágoa e o recalque, porém, alçaram-no à inacreditável condição de presidente da República. Hábil, o “mito” catalisou essa pulsão pela morte que está aí no ar. Coletivamente, o que move o Brasil hoje é a morte e não a vida. É doloroso perceber, pelas ruas, esse instinto de autodestruição. Só podia dar o “mito” na presidência.

O irônico é que o País está sendo conduzido por alguém que, sequer, encarna o arquétipo do autocrata tradicional. O “mito” é muito fraco: o olhar vazio, inexpressivo, que se fixa sempre no nada, a boca contraída, quase invisível, a fala mole, a voz baixa, o tom titubeante, tudo isso realça suas virtudes às avessas de liderança. Seu mandato não tem projeto para o Brasil, mas, se tivesse, entusiasmaria pouco.

O “mito” só deixa de parecer um títere nas solenidades militares ou quando vai cortejar, sabujo, Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos. Lá ele sorri e mostra-se à vontade: talvez porque, nessas ocasiões, exerça o único ofício para o qual demonstra alguma desenvoltura.

Um discurso protocolar vai repercutir pouco e terá efeito nenhum pelo mundo. Declarações desastrosas são improváveis, mesmo porque o “mito” lerá seu discurso, aos arrancos, visivelmente intimidado. O que ele deve fazer é recorrer à expressão “soberania”, mais para inflamar seus acólitos tupinambás que, propriamente, firmar posição lá fora.

Mas é necessário cultivar o otimismo sempre: vai que o Brasil evita mais um vexame lá fora? Lendo mecanicamente um discurso insosso, protocolar, com aquele olhar inexpressivo e com os lábios contraídos, o “mito” pode até marcar um gol de placa, dadas as deploráveis circunstâncias.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje