Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, segunda, 13 de julho de 2020

Cultura

Fórum pressiona por implantação de Plano de Cultura

05 de junho de 2015 | 16h 52

Está pronto desde o ano passado

Fórum pressiona por implantação de Plano de Cultura

Membros do Fórum Permanente de Cultura de Feira de Santana divulgaram um manifesto intitulado “Desengavete o Plano, prefeito”, para pedir que o governo envie à Câmara e coloque em vigor o Plano Municipal de Cultura (PMC), concluído em novembro do ano passado.

“É um documento imprescindível para que o município possa pleitear recursos de diversas ordens e se inserir na estrutura estadual e federal de incentivos e políticas culturais”, diz o texto, distribuído à imprensa e disseminado na internet principalmente por meio de redes sociais.

O Plano, elaborado para um período de 10 anos, foi discutido pelos integrantes do Conselho Municipal de Cultura (poder público e sociedade), com participação de membros da classe artística, durante a gestão do ex-secretário Jailton Batista, ao longo do ano passado.

O Fórum demonstra esperança no Plano. “Representa a institucionalização das políticas públicas de cultura que são desejadas há anos por artistas, produtores, gestores e cidadãos feirenses”.

A troca de secretário, com a entrada de Rafael Cordeiro no final de janeiro, levou inevitavelmente a um atraso na colocação em prática do Plano. Mas a postura dele após este período no cargo também foi criticada pelo Fórum. “Não tem demonstrado a mínima disposição em fazer gestões junto ao prefeito para que o projeto possa ser despachado para a Câmara Municipal. Nem mesmo qualquer articulação junto ao Legislativo foi feita pelo gestor da pasta”, diz o texto.

Ouvido pela Tribuna Feirense, Cordeiro disse que o processo “está caminhando, não tem dificuldade nenhuma”. Ele conta que depois de sua posse, ficou acertado com os membros do Conselho que o assunto seria tratado após a Micareta.

Entretanto, uma nova mudança atrapalhou o andamento do processo, com a saída da diretora de Cultura, Aloma Galeano. “O novo diretor [Luís Augusto, da Earte] foi nomeado ontem [terça-feira]”, argumenta.

Segundo Cordeiro, a questão “não pode ser tratada de maneira açodada”. Ele  ressalta ainda que o conselho que elaborou o Plano é consultivo e não deliberativo, ou seja, não é quem decide, cabendo ao governo esta prerrogativa. Isto inclui até, segundo Rafael, a possibilidade do plano ser posto em prática por meio de decreto, sem ter que necessariamente passar pela Câmara.



Cultura LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje