Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 21 de julho de 2019

Política

No Senado, Moro nega conluio com o MP, afirma ter sido alvo de 'grupo criminoso' e diz que deixaria cargo se comprovadas irregularidades; assista

19 de junho de 2019 | 15h 42
No Senado, Moro nega conluio com o MP, afirma ter sido alvo de 'grupo criminoso' e diz que deixaria cargo se comprovadas irregularidades; assista
Foto: Reprodução
Ao falar à Comissão de Constituição e Justiça ( CCJ ) do Senado sobre as conversas vazadas com o procurador Deltan Dallagnol , o ministro da Justiça, Sergio Moro , disse nesta quarta-feira que não tem apego pelo cargo e que, se comprovadas irregularidades de sua parte frente à Operação Lava-Jato, pedirá demissão. O ex-juiz federal defendeu que o site "The Intercept Brasil" entregue às autoridades a íntegra do conteúdo que embasou as reportagens publicadas até agora, para que a íntegra das informações venha à tona.Moro reiterou, durante as mais seis horas de sessão, que os diálogos mostrados até agora são "completamente normais" e afirmou que não pode reconhecer a autenticidade do material revelado pelo site. Para o ministro, a divulgação dos diálogos é fruto do trabalho de um grupo de hackers criminosos.
 
— Não tenho apego ao cargo em si. O site que mostre tudo, todas as conversas, e se houver irregularidade, eu saio do cargo — disse Moro ao responder o senador Jaques Wagner (PT-BA).
 
O parlamentar do PT sugeriu que houve abusos na condução da Lava-Jato, da qual ele mesmo foi alvo. Ao mencionar a própria experiência enquanto investigado (a casa do senador e ex-governador da Bahia foi objeto de busca e apreensão), Wagner mencionou que pouco após receber a visita da Polícia Federal (PF), uma delegada concedeu uma entrevista o acusando de um desvio milionário. Ao finalizar o relato, o petista questionou se Moro não considerava que a Lava-Jato poderia ter cometido erros e perguntou se ele cogitaria deixar o cargo. Foi, então, que o ministro admitiu que o faria caso fiquem comprovadas irregularidades da parte dele.
 
Moro relembrou à comissão que teve o celular invadido no início do mês, mas que, até o momento, não há evidências de acesso ao conteúdo do aparelho. O "Intercept" afirma que recebeu o material de uma fonte anônima antes deste episódio. O ministro disse suspeitar que as invasões a celulares de autoridades não vieram de amadores.
 
— Confesso que dessa vez fiquei surpreendido pelo nível de vilania e de baixeza dessas pessoas responsáveis pelo ataque, a ousadia criminosa de invadir de ou tentar invadir telefones de procuradores da República, inclusive o telefone do ministro da Justiça, e utilizar isso não para fins de interesse público, mas sim para minar esforços anticorrupção.
 
O ministro ressaltou que a investigação da Polícia Federal está em andamento, mas revelou suspeitar que as invasões de celulares de procuradores e juízes tenham sido obra de um grupo criminoso.
 
— Não é um adolescente com espinhas na frente do computador, mas sim um grupo criminoso estruturado — destacou Moro. — A minha opinião, em particular, embora os fatos estejam sendo investigados, é de que existe um grupo criminoso por trás desses ataques. Afinal, há uma grande quantidade de pessoas que sofreram invasões ou tentativas de invasões, o que aponta para a possibilidade de não ser um hacker isolado.
 
O ex-juiz destacou que pode ter dito "algumas coisas" que foram divulgadas, mas que outras lhe causam "estranheza". Ele disse que o conteúdo pode ter sido adulterado.
 
— Não tenho mais essas mensagens no meu aparelho celular. Utilizei o Telegram em determinado período. Em 2017, acabei achando que aquele aplicativo de origem russa não era um veículo lá muito seguro. E saí do Telegram desde então. Não tenho essas mensagens para poder afirmar se aquilo é autêntico ou não — afirmou. — Tem algumas coisas que eu eventualmente possa ter dito. Tem algumas coisas que me causam estranheza. Essas mensagens podem ser total ou parcialmente adulteradas.


Política LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje