Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 22 de setembro de 2019

André Pomponet

Governo dobra aposta contra universidades públicas

André Pomponet - 16 de maio de 2019 | 20h 00
Governo dobra aposta contra universidades públicas

O calamitoso governo Jair Bolsonaro (PSL-RJ) resolveu dobrar a aposta contra as universidades públicas. Depois das monumentais manifestações de ontem (15), contra a reforma da Previdência e os cortes orçamentários na Educação, ontem mesmo veio mais uma medida. Os reitores – eleitos pela comunidade acadêmica – não poderão mais indicar, livremente, pró-reitores, diretores de centro e campus. Isso veio por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União.

Haverá filtros para selecionar essa gente, cujo aval vai depender da Casa Civil: “O sistema integrado de nomeações (...) fará pesquisa à Controladoria Geral da União e à Agência Brasileira de Inteligência do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República”. A data de início da vigência foi fixada no próximo dia 26 de junho.

A medida provavelmente escancarará as portas das universidades para aboletar todo tipo de exotismo: gente que crê em terra plana, ardorosos combatentes do “marxismo cultural”, iluminados pensadores que enxergam o nazismo à esquerda e até sábios que sabem recitar a fórmula da água ou que decoraram a tabuada na íntegra. Isso para não mencionar, claro, aqueles que exaltam o período idílico da ditadura militar.

Por outro lado, os filtros ideológicos vão expurgar a gente suspeita de comunismo – um conceito muito elástico na visão dos que se aboletaram no poder – e de inúmeras perversões, como a refutação do “criacionismo” ou a classificação da ditadura militar como aquilo que foi: ditadura. Mérito acadêmico ou gerencial – nem precisa comentar – não figurará entre os critérios de avaliação.

É difícil não enxergar nisso mais que um gesto autoritário: é disposição ditatorial mesmo, quiçá totalitária. Em sociedades sadias isso nem seria refutado, porque governantes comprometidos com a democracia jamais proporiam tamanho absurdo. Aqui, não: certamente avultarão defensores, adeptos entusiastas do “nós contra eles” que o novo regime alimenta com sofreguidão.

As manifestações – certamente mais de um milhão de brasileiros compareceu às ruas em mais de 200 cidades brasileiras – acenderam uma centelha de esperança em relação a esses absurdos. Por outro lado, a rejeição ao mandatário do Vale do Ribeira cresce sistematicamente desde a posse. E, no Congresso Nacional, nada anda graças à compacta incompetência dessa gente.

Isso não impede, porém, o desmanche da administração pública, a precarização dos serviços públicos e retrocessos em temas como o meio ambiente. Mas os atos desabrocham a expectativa de uma resistência consistente e organizada contra os desmandos que se avolumam.

Lembro-me do poeta e dramaturgo Bertolt Brecht: levaram os negros, os operários e os miseráveis; e o cidadão ficou indiferente, porque não era com ele. Depois ele próprio foi levado. É a mesma situação das universidades públicas hoje no Brasil: quem achar que não é consigo e não se mexer pode aguardar que sua vez vai chegar...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje