Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quarta, 23 de outubro de 2019

André Pomponet

Resultados recentes apontam para final equilibrada do Campeonato Baiano

André Pomponet - 12 de abril de 2019 | 20h 39
Resultados recentes apontam para final equilibrada do Campeonato Baiano

O Bahia da capital e o Bahia de Feira começam a decidir no domingo (14), no Joia da Princesa, o título de campeão baiano de 2019. O segundo jogo é no domingo seguinte (21), na Arena Fonte Nova, em Salvador. Pela trajetória recente e pelo histórico dos confrontos entre as duas equipes desde 2010 – ano em que o Tremendão voltou à primeira divisão do “Baianão” – a tendência é que a final seja parelha. Resultados elásticos tenderão a surpreender.

Desde o retorno da equipe feirense os confrontos têm sido equilibrados. Em 2010, por exemplo, foram quatro jogos: no primeiro, em Salvador, o time feirense venceu com um placar inesquecível (5 a 3) e, depois, acabou derrotado no Joia da Princesa (1 a 0). Pelas semifinais, dois empates (0 a 0 e 1 a 1) e, com melhor campanha, o “Tricolor de Aço” seguiu para a final.

No ano seguinte, 2011, o Bahia de Feira venceu o “Baianão” e o Torneio-Início, com direito, nessa competição, a vencer o homônimo da capital por 1 a 0. Lá adiante, se enfrentaram mais duas vezes, com o “Tremendão” repetindo o placar do Torneio-Início, mas amargando uma goleada por 3 a 0 em Salvador.

O confronto seguiu equilibrado nos anos seguintes: em 2012, uma vitória para cada lado, no ano em que o Bahia encerrou um jejum de 11 anos sem o título baiano. Em Feira, 1 a 0 para o “Tremendão”, mas, em Salvador, o Bahia aplicou um 3 a 2. Mais dois confrontos no ano seguinte, 2013, com dois empates. Todos os jogos foram pelo “Baianão”.

Só em 2016 o Bahia da capital prevaleceu sem sobressaltos: foram três confrontos e três vitórias tricolores, mas com placares discretos (2 a 0, 2 a 0 e 2 a 1). A única goleada da série aconteceu em 2017: o tricolor da capital atropelou com um 6 a 0. A partida fatídica foi em oito de fevereiro.

Foi o último triunfo da equipe soteropolitana: de lá para cá, o Bahia de Feira venceu duas vezes: aplicou um 1 a 0 no Campeonato Baiano do ano passado – a única derrota do tricolor da capital naquela competição – e, em 2019, venceu na Fonte Nova, por 2 a 0. No histórico recente, há muito equilíbrio: o Bahia acumula sete triunfos e o xará feirense seis. Quatro partidas terminaram empatadas.

A trajetória recente é outro fator que aponta para uma final muito disputada. O Bahia não vem bem: afora os dois triunfos contra o Atlético de Alagoinhas nas semifinais, acumula desempenhos sofríveis contra adversários do naipe de Sergipe, Sampaio Correia e CRB. Os maus resultados, inclusive, provocaram a substituição do treinador.

Prognóstico em futebol é tarefa arriscada. Mas, pelo que apresentou até aqui, o Bahia de Feira tem chances de beliscar o segundo título baiano em menos de uma década, igualando o feito do Fluminense, o Touro do Sertão, que, a propósito, comemora em 2019 os 50 anos de sua última conquista no estadual.



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje