Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 23 de julho de 2019

André Pomponet

Massacre será usado como pretexto para armar a população?

André Pomponet - 13 de março de 2019 | 20h 46
Massacre será usado como pretexto para armar a população?

Nesta quarta-feira (13), dois jovens – um deles adolescente – entraram armados em uma escola de Suzano (SP) e mataram, a tiros, oito pessoas. Chocado pela tragédia, o brasileiro que acompanha o noticiário ainda teve que digerir as declarações dos atuais mandatários do País. Na era petista, qualquer derrapada era tratada com debochado estardalhaço. Agora, acumulam-se absurdos em série, sem reações, como se o despreparo de quem conduz o país fosse algo perfeitamente natural.

O primeiro a se manifestar foi o vice-presidente da República, o general da reserva Hamilton Mourão. Insinuou que os “videogames” podem ter inspirado os assassinos. E sobre o acesso às armas? Disse que não eram legais e, portanto, o decreto assinado por Jair Bolsonaro (PSL), facilitando o acesso às armas, não tinha influência.

Um militar de São Paulo, neófito no Senado, recorreu a absurdo maior: disse que, caso os professores estivessem armados – ou outro servidor qualquer –, a tragédia não teria acontecido. Pelo jeito, além de suas atribuições pedagógicas, logo teremos professores cumprindo funções policiais. E embolsando o mesmo salário magro, é claro. Só no Brasil desses tempos para ideias desse tipo serem levadas a sério.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, compulsivo usuário de mídias sociais, só foi se manifestar cinco longas horas depois da chacina. Não foi além da meia-dúzia de palavras, chochas, protocolares, superficiais, inclusive com erro de digitação. Tentou classificar a matança de “atentado”, mas escreveu “atendado”.

Rearmamento

Os mais lúcidos percebem que é o acesso às armas – legais ou ilegais – que impulsiona chacinas desse quilate. E essas matanças estão se tornando recorrentes: em Campinas-SP, um desajustado matou quatro pessoas numa igreja, em dezembro passado; dois anos antes, na mesma cidade, um ciumento desequilibrado matou doze pessoas, a maioria mulheres. E, há sete anos, uma escola em Realengo, no Rio de Janeiro, também foi palco de uma chacina.

Paradoxalmente, a onda do momento, no Brasil, é fazer a apologia do rearmamento da população. Quem defende isso circula em carros blindados, conta com exército de guarda-costas e capangas para se proteger e – invariavelmente – faz o lobby da indústria armamentista. Desavisado, acossado pelo medo, o brasileiro médio reforça o discurso, sem imaginar que ele próprio pode entrar na alça de mira.

Acesso a arma não se esgota no “direito legítimo do cidadão à autodefesa”, conforme clamam alguns, em seus discursos empolados. É uma maneira sutil do Estado abdicar da oferta de segurança pública e transferir a responsabilidade para o cidadão, que vai precisar se defender sozinho. É também uma forma de alavancar os lucros dos amigos da indústria bélica, sequiosa pela ampliação dos mercados.

Enfim, foi doloroso, brutal, o massacre em Suzano. Mas que ninguém se engane: quanto mais franquearem o acesso às armas, mais mortes vão se avolumar em circunstâncias semelhantes. Afinal, hoje, tudo o que importa é o lucro de quem vende arma...



André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje