Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 20 de agosto de 2019

Cultura

Natal Encantado chega à sexta edição como uma festa já consolidada

Karoliny Dias - 28 de dezembro de 2018 | 20h 37
Natal Encantado chega à sexta edição como uma festa já consolidada
Foto: Tamires Ribeiro

Há alguns anos, a cidade de Feira de Santana ganhou um projeto de grande importância: o Natal Encantado. Criado em 2013, pelo ex-secretário Municipal de Cultura, Esporte e Lazer Jailton Batista, o evento tinha por objetivo reacender a essência das festas natalinas e reunir as famílias. Outra missão do projeto era levar o clima natalino a vários pontos da cidade, além de resgatar e fortalecer as tradições religiosas e culturais voltadas para o Natal e reforçar os laços de fraternidade.

Segundo a Prefeitura Municipal, o Natal Encantado é uma proposta desenvolvida através da parceria entre o setor público e a iniciativa privada, para fortalecer a tradição dos festejos natalinos e destacar também o seu viés cultural.

Durante o Natal Encantado, a cidade se transforma em um grande palco, para a realização de espetáculos artísticos que remetem ao verdadeiro espírito dessa celebração tão cara aos cristãos, dando ao público a oportunidade de vivenciar experiências que remetem aos sentimentos de solidariedade, alegria e, claro, ao nascimento do menino Jesus.

AMPLIAÇÃO – Inicialmente, o projeto era realizado durante 13 dias. Em 2018, o evento foi ampliado para 19 dias. O atual secretário Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Edson Borges, afirma que a festa transcorreu bem e agradou ao público. “Começamos no início do mês e a chuva prejudicou um pouco a presença do público. Mesmo assim, as atrações estão sendo muito bem recebidas por aqueles que participam da festa. Temos corais natalinos, algo que é tradicional, e ainda apresentações mais locais e regionais. A festa é eclética”, ressalta.

Segundo Edson Borges, esse ano, a programação também se estendeu a quatro igrejas da cidade, três católicas e uma evangélica. A Igreja dos Capuchinhos, a Igreja da Cidade Nova, a Igreja do Cruzeiro e a Igreja Batista Alvorada abriram suas portas para receber concertos clássicos.

O Natal Encantado contou, ainda, com um novo local de apresentação, em 2018: o Espaço Marcus Moraes, situado na Avenida Getúlio Vargas. O palco que ficava no estacionamento da Prefeitura foi retirado. “O Espaço Marcus Moraes é um palco maior e com mais visibilidade”, justificou o secretário.

Na Praça Padre Ovídio, mais conhecida como Praça da Matriz, houve também uma mudança na disposição dos palcos, que foram armados juntos e na parte mais baixa do terreno. “Como a praça é em declive, melhora a visibilidade para as pessoas, principalmente as que sentam do meio para o fundo. Fica um teatro melhor para os espectadores. É o chamado auditório romano. No palco de cimento da praça, criamos um espaço para cadeirantes. Fizemos um na Micareta e agora no Natal Encantado”, observa.

O secretário de cultura explicou ainda que começou a produzir a festa no mês de outubro. “Nas nossas reuniões, discutindo as atrações que traríamos. Mas como recebemos sugestões durante todo o ano, levamos em conta, também, os anseios da população e das pessoas envolvidas com a cultura, na cidade. Durante o processo de produção, observamos bastante o público, com a finalidade de aperfeiçoar as próximas edições da festa”, esclarece.

Conforme Edson Borges, as atrações são escolhidas de forma criteriosa, levando em consideração o que está acontecendo nos cenários nacional e local e buscando identificar os artistas que estão despontando. “Trabalhamos o ano todo nessa observação. Esse ano, o projeto teve uma renovação estupenda. Muitas pessoas que nunca participaram do Natal Encantado e de outros festejos da Prefeitura foram convidadas e fizeram shows magníficos”, enaltece.

Na opinião do secretário, as atrações que chamaram mais a atenção do público foram a Orquestra Mambo do Recôncavo; a Filarmônica 25 de Março; o violonista Dade de Oliveira; o cantor e compositor Roberto Kuelho; e a cantora Talitha Costa, que fez um cover do The Beatles. “Todos realizaram shows muito bons, mesmo com a chuva atrapalhando um pouco”, pondera.

De acordo com Edson Borges, na sua sexta edição, o projeto Natal Encantado já é uma festa consolidada. “É um sucesso. As pessoas esperam o ano inteiro para que ela aconteça”, opina.

A autônoma Sandra Regina Brandão assistiu ao show de Tito Pereira no palco do Espaço Marcus Moraes. Ela faz parte do grupo de pedal Divas do Sertão e conta que todos os companheiros também prestigiaram a apresentação. “Nosso grupo saiu para ver a ornamentação da cidade e passamos pelo local onde o show acontecia. Estava chovendo, mas mesmo assim assistimos e fizemos a festa”, relata.

Sandra acredita que o projeto Natal Encantado é algo muito benéfico para a cidade. Ela ressalta ainda o caráter familiar da festa, enfatizando que é muito bom ver as famílias reunidas participando dos shows. “Gostei tanto que pretendo ir sempre”, comenta.

INICIATIVA PRIVADA – Edson Borges diz que lamenta profundamente o fato de as empresas da cidade não terem tanta participação no Natal Encantado. Segundo ele, muito raramente a Prefeitura consegue uma parceria com a iniciativa privada feirense. Edson também salienta que, de modo geral, o comércio local quase não enfeita as lojas. “Pouquíssimas empresas fizeram alguma decoração de Natal, por mais simples que seja. Acho que deveria haver um engajamento maior nesse sentido, pelo menos no que diz respeito à decoração das vitrines e fachadas. Mesmo com simplicidade, isso ajuda a criar um clima natalino e envolvente”, lembra.

Para o secretário, o envolvimento das empresas feirenses na festa natalina seria algo benéfico para todos. Ele diz que a Prefeitura Municipal faz a sua parte, realizando grandes investimentos, com o intuito de trazer as melhores atrações para a cidade. “São três semanas de festejos e grande movimentação. E, mesmo assim, nem 30% das lojas vemos enfeitadas, nas nossas principais avenidas. Só isso já faria uma enorme diferença no clima natalino”, considera.

CANTATAS INFANTIS – Esse ano, as tradicionais cantatas natalinas, realizadas pelos corais infantis formados por estudantes das escolas públicas de Feira, não foram realizadas. As crianças costumavam encantar o público, entoando músicas de Natal na sacada do Paço Municipal.

Segundo a secretária de Educação, Jayana Ribeiro, a saída das crianças da programação do Natal Encantado desse ano se deve a uma fatalidade: a morte do estudante Allanderson Souza Santana, que se afogou durante um passeio escolar, em um sítio localizado no bairro Conceição. O aluno cursava o 5º ano do Ensino Fundamental, na Escola Municipal Eurides Franco de Lacerda.

Lamentando o ocorrido, Jayana Ribeiro explica que o passeio fazia parte de uma atividade em comemoração ao Dia das Crianças e que, desde o acidente, o prefeito Colbert Martins resolveu cancelar todos os eventos externos com crianças, pelo menos até que seja concluído o inquérito policial que apura a morte do estudante. “Precisamos saber quais precauções e cuidados devem ser adotados para proteger os nossos alunos durante as atividades extraclasse”, afirma Jayana Ribeiro.

A secretária enfatizou, no entanto, que a programação natalina da rede educacional foi realizada internamente, nas festas de encerramento do ano escolar. “Criamos até um logo para a nossa festa interna, que se chama Natal na Escola”, completa.



Cultura LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje