Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 17 de outubro de 2021

Geral

Empresas cobram milhões da prefeitura na Justiça

02 de Fevereiro de 2015 | 10h 48

Concessionárias alegam prejuízos com passagem congelada e cobram vale transporte

Empresas cobram milhões da prefeitura na Justiça

LEIA TAMBÉM: Sindicato acusa empresas de ônibus de roubo

O advogado das empresas Princesinha e 18 de Setembro, Ronaldo Mendes, afirma que a acusação de apropriação indébita do consignado não procede, ao menos não como o sindicato afirma. "Diante do quadro de extrema dificuldade financeira que é do conhecimento do sindicato e de todos, as empresas tiveram que optar por aquilo que era mais urgente: os salários, plano de saúde e ticket alimentação em detrimento da dívida gerada pelos empréstimos junto à Caixa Econômica por força do consignado", argumenta.

O advogado afirma que tudo isso também foi explicado ao Ministério Público do Trabalho quando da audiência de mediação proposta final do ano passado a pedido do próprio Sintrafs e, ainda, esclarecido que "não existiu dinheiro não repassado, mas sim ausência de recurso para quitação do empréstimo junto à instituição".

Segundo ele, as empresas sofrem “ausência de fluxo de caixa” porque a tarifa ficou sem aumento e ainda teve a redução “arbitrária”, como ele classifica, feita em 2013. "De toda sorte, a situação está sendo enfrentada com a seriedade que o caso reclama, estando as empresas providenciando parcelamento junto à Caixa Econômica Federal", informa Ronaldo.

Quanto ao possível passivo trabalhista que possa ser gerado a partir de "demissões hipotéticas", ele diz que Princesinha e 18 de setembro com créditos da ordem de 37 milhões de reais junto à prefeitura, além de um crédito superior a 6 milhões de reais  (em valores atualizados) relativo à compra de vale transporte pela administração municipal anterior.

Estes créditos não são reconhecidos pela atual governo, mas as empresas estão buscando a Justiça para receber.

É somente com este dinheiro que Ronaldo vê a viabilidade de pagamento de "futuras execuções trabalhistas". Ou seja, sem o reconhecimento (e quitação) destes valores pela prefeitura as empresas não dispõem de outra fonte para honrar as rescisões.



Geral LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje