Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 16 de novembro de 2018

César Oliveira

Filmar professor para denúncia pública é inaceitável

Cesar Oliveira - 07 de novembro de 2018 | 17h 42
Filmar professor para denúncia pública é inaceitável

Calma lá, calma lá. Tem muita gente na internet se achando “ fiscal do Bolsonaro” , governo paralelo. Ao que se sabe, Bolsonaro, não  deu autorização para isso. Um desses casos é a proposta que alunos saiam filmando professores, supostamente doutrinadores.  

Evidente que existe doutrinação( ou aculturação) nas escolas, em algumas de modo quase obsessivo,  por  boa parcela de professores- mas não de todos-, e isso  não se pode negar. No colégio D. Pedro ll , no Rio, o PSOL tinha uma sede dentro da unidade, o que é uma aberração total. Nas Universidades temos um sistema totalitário, dominante, em que qualquer um que ouse se contrapor a esquerda- nem é ser de direita-, é massacrado, às vezes, até fisicamente, como vimos na UNB, recentemente, e isso é absolutamente inaceitável.

Nas escolas isso fere a ética da responsabilidade de Weber, pois, um professor, não pode impor um conteúdo desse ao aluno antes dele estar instrumentalizado para esse embate. Essa situação de desequilíbrio, de informação dirigida, em que autores são sonegados e outros favorecidos, de acordo com a preferência ideológica, é incorreto e desonesto para a formação crítica do indivíduo, seja de que lado for.

Eu mesmo conheço casos de doutrinação abusiva com crianças pequenas, em escolas privadas,  mas daí a começar campanha macarthista, perseguição, a professores, sem regra, é fortalecer outro tipo de totalitarismo.

Certo que um Mauro Iasi, da UERJ que sugere um “bom pelotão de fuzilamento “ para quem não é esquerdista, é um doente, um depravado moral, mas não podemos tomar a parte pelo todo.

Busca de equilíbrio nos conteúdos curriculares será impositivo e saudável, daqui por diante, mas campanhas irresponsáveis ( como estão fazendo no tuiter) com risco de dedurismo e similares tem perigos institucionais, educacionais e físicos. Ela estimula o pior nos alunos, expôe a vida de pessoas, pois, o julgamento de doutrinação está nas mãos de crianças e jovens, sujeito a erros, vieses, e pode até  destruir a vida de um professor exposto inadequadamente. 

Esse não é o mecanismo correto para obter-se maior equilíbrio na formação do pensamento e para evitar a doutrinação. Quem defende isso acha que os fins justificam os meios. 

E não é assim. Vamos devagar com o andor!



César Oliveira LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje