Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sexta, 19 de outubro de 2018

Brasil

Família morta em acidente em MG é sepultada em Campinas; menino sobrevivente 'foi um milagre', diz avô

10 de outubro de 2018 | 14h 26
Família morta em acidente em MG é sepultada em Campinas; menino sobrevivente 'foi um milagre', diz avô
Foto: Reprodução
Pai, mãe e filho de 8 anos que morreram em um acidente em na rodovia BR-050 em MG foram sepultados em cemitério de Campinas (SP) na manhã desta quarta-feira (10). O menino de 6 anos, que sobreviveu à tragédia, teve alta do hospital em Uberlândia (MG) na noite de terça (9), e também já está em Campinas com tios e avós.
 
"Foi um milagre de Deus. Ele vai ficar conosco", diz o avô materno João Carlos Miguel, de 60 anos.
 
A família voltava de Rio Quente (GO) no domingo (7) de manhã, onde passou o fim de semana para comemorar o aniversário da mãe das crianças. Alessandro Monare, de 37 anos, Belkis da Silva Miguel Monare, 35, e Samuel da Silva Miguel Monare, 8, morreram.
 
Eles foram sepultados por volta das 10h no Cemitério Parque das Flores, no bairro Jardim São Judas Tadeu.
 
"Deus tem os seus propósitos. Às vezes nós não entendemos os planos de Deus, mas a Bílbia diz que o plano de Deus é totalmente diferente do nosso. Deus assim o quis, e Deus assim permitiu", afirma o avô.
 
A família só foi localizada nesta terça após Benjamin da Silva Miguel Monare, 6, conseguir chegar sozinho até a marginal da rodovia e pedir ajuda. Ele estava em estado de choque.
 
Logo após ser resgatado, o menino foi internado no Hospital de Clinicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). Ele teve apenas algumas escoriações, segundo o avô. Recebeu alta na noite de terça e já viajou de volta para Campinas, na companhia do avô e do tio, irmão da mãe.
 
"Teve escoriações, mas relativas ao que aconteceu. Mas ele está bem. Estava sedado no hospital e ainda vai levar algum tem pra ele ter uma melhora", afirma o avô.
Benjamin chegou durante a madrugada na cidade e não compareceu ao velório e enterro. Segundo o avô, que foi ao sepultamento, ele mal se lembra do que aconteceu.
 
"Ele só lembra apenas da piscina, do parque onde ele foi. Da montanha quando subiu perto da rodovia, somente isso".
 
Os familiares ainda não têm notícias sobre as investigações.

FONTE: G1



Brasil LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje