Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, terça, 18 de dezembro de 2018

Geral

Feira Pede Paz: Governo Municipal se mobiliza em torno da campanha

13 de setembro de 2018 | 17h 09
Feira Pede Paz: Governo Municipal se mobiliza em torno da campanha
Foto: Divulgação/ Secom
Por uma chance à paz, a Secretaria de Prevenção à Violência e Promoção dos Direitos Humanos (Seprev) deflagrou, na manhã desta quinta-feira, 12, a campanha “Feira Pede Paz”, ação que envolve todas as secretarias do Governo Municipal, indignado com a escalada da violência que, só este ano, já ceifou 295 vidas na cidade, vitima de assassinatos.
 
Aberta oficialmente na “Casa da Paz”, um stand armado no canteiro da Avenida Getúlio Vargas, com a presença do prefeito Colbert Martins Filho e todo o secretariado, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e de segmentos religiosos, a campanha “Feira Pede Paz”, será levada às escolas da rede pública, praças e bairros da cidade, através de uma caravana motivacional.
 
A Caravana da Paz tem como símbolo um origami em formato de pomba, que está sendo distribuído e multiplicado em oficinas itinerantes que ensinam como confeccionar as peças, a partir de uma folha retangular de papel branco.
 
O movimento consiste ainda em distribuir bottons, adesivagem e plotagem de carros com a marca da campanha, bem como levar mensagens alternativas sobre a cultura da paz, a exemplo de apresentação de vídeos e abordagens sobre o tema.
 
O secretário Pablo Roberto Gonçalves (Seprev), reiterou que “a campanha tem como meta mobilizar a comunidade feirense a fortalecer a cultura da paz e a não violência, além de refletir sobre como podem promover a paz em seus espaços de convivência”.
 
“Nós precisamos nos indignar contra esta violência para construir, em nossa cidade, uma cultura de paz. Todo o dia se reclama nas emissoras de rádio locais, sobre a quantidade de buracos que há nas ruas, mas não se vê ninguém se levantar contra as 295 mortes por assassinatos que já ocorreram. É que a gente só reclama da violência quando ela ocorre perto da gente, e no dia seguinte ao desespero, a vítima passa a contar nas estatísticas policiais”.


Geral LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje