Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, quinta, 20 de setembro de 2018

Valdomiro Silva

Nas idas e vindas do Brasileirão, Bahia agora está em baixa e o Vitória em ascensão

12 de setembro de 2018 | 20h 59
Nas idas e vindas do Brasileirão, Bahia agora está em baixa e o Vitória em ascensão

Ao longo de suas 38 rodadas, o Campeonato Brasileiro apresenta várias oscilações, na parte de cima, onde se encontram os clubes que lutam pelo título e vaga na Libertadores da América, e lá embaixo, na zona maldita, onde as equipes que não se prepararam bem travam uma guerra para não cair de divisão. Os times tem seus altos e baixos, durante o certame. Vejam Bahia e Vitória, nossos representantes no torneio nacional.

O Bahia já teve momentos empolgantes, a ponto de o técnico Felipão, do Palmeiras, dizer que o tricolor seria um osso duro de roer, após o seu time superar este adversário nas quartas de final da Copa do Brasil, ao derrota-lo no segundo jogo do mata-mata, em São Paulo.

Gilberto, o centro-avante, despontava como artilheiro. Zé Rafael vivia grande fase. E até o limitado atacante Edgar junior vinha fazendo gols. De lá para cá, e não faz muito tempo, tudo mudou. A profecia de Luiz Felipe Scolari não se confirmou. E o time do Fazendão vem perdendo mais que ganhando as partidas.

Não se encontra na zona de rebaixamento e até mantém uma razoável folga de cinco pontos para o primeiro time dentro do grupo de descenso, o Sport. Mas está bem longe de inspirar confiança ao seu torcedor. Vem de derrota para o São Paulo, no Morumbi, e tem pela frente uma sequencia de jogos muito difícil: Palmeiras no domingo, Flamengo, Grêmio e Vasco, não necessariamente nessa ordem.

Precisará somar pontos, ou a pequena gordura que adquiriu, após vencer os nordestinos Ceará e Sport, vai pro espaço. A tabela é ingrata. O time vai precisar melhorar muito, especialmente o desempenho ofensivo, para conseguir algo diante desses adversários difíceis.

O Vitória esteve desesperado, figurando no Z-4 e com um time que não transmitia qualquer esperança ao seu torcedor. Chegou o técnico Paulo César Carpegiani, tirou alguns jogadores do time titular e colocou jovens da divisão de base e o cenário vem mudando. O Leão não vem jogando um futebol de alto nível, mas melhorou a competitividade, a raça e já se vê uma certa organização tática.

Venceu os três últimos jogos no Barradão e empatou no Rio de Janeiro contra o Fluminense. Atualmente tem um ponto a mais que o Bahia e seis à frente do primeiro time da fila dos candidatos a Série B. Diferentemente do Bahia, tem uma tabela menos complicada. Seus dois próximos jogos são contra Ceará em Fortaleza e o decadente Botafogo do Rio em Salvador.

Ainda restam 14 jogos para cada equipe, até o final do Brasileirão. Tempo suficiente para uma ou duas reviravoltas na tabela. Esperamos que a dupla Ba-Vi ao menos se mantenha onde está, longe dos quatro últimos. Mas vão precisar se cuidar. Até aqui, continuam mais brigando para não cair do que almejar algo mais interessante na competição.



Valdomiro Silva LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje