Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, domingo, 09 de agosto de 2020

André Pomponet

O retorno da Tribuna Feirense e algumas conjecturas

André Pomponet - 28 de agosto de 2017 | 16h 45
O retorno da Tribuna Feirense e algumas conjecturas
É muito positivo o retorno da Tribuna Feirense como Jornal impresso. Mesmo que essa circulação, pelo menos por enquanto, se dê de forma mensal. Afinal, é um veículo de comunicação com uma trajetória respeitável. Iniciada no á distante ano de 1999. Trata-se, portanto, de um das mais longevas publicações impressas de Feira de Santana. E soma-se ao leque de opções que o feirense tem de se informar, saber das cosias de sua cidade, inteirar-se dos problemas, animar-se com aquilo que é positivo.
 
Há vários anos muita gente profetiza que o jornal impresso, esse de papel, palpável, cheirando a tinta, está fadado a desaparecer nalguns anos. De fato, muitas publicações vêm se extinguindo ou reduzindo circulação mundo afora. Mas os jornais resistem, sustentados pela opção de quem prefere se informar à moda tradicional, sem o ritmo alucinante da Internet e de suas infinitas possibilidades e, obviamente, limitações e deformações.
 
Talvez o que falte às publicações impressas seja, ainda, se repaginar – sem trocadilhos – nesses anos em que os meios digitais revolucionaram a vida e, evidentemente, a forma de fazer e divulgar notícia. Competir com o instantâneo, o superficial, o banal, o efêmero, transbordante na Internet, não é a melhor estratégia para se fazer jornal impresso nos dias atuais.
 
A leitura do impresso é um processo que implica em mais atenção, mais reflexão, mais introspecção. Muito diferente do que se lê ali na tela do computador e- mais recentemente – nos visores dos aparelhos celulares que, a cada geração, ganham um nome diferente. Nesses aparelhos a leitura é abrupta, distraída, mecânica, irreflexiva. Talvez isso sinalize para uma diferença fundamental.
 
Leitores – Intuo que, lá adiante, muito do modismo que a Internet e suas possibilidades fomentaram vai refluir, vai ser repensado. Não que preveja, mais à frente, o retorno do impresso nos seus moldes antigos: longe disso. Mas acredito que o impresso vai firmar nichos, identificar possibilidades, fixar um público mais afeito à leitura e aos conteúdos mais elaborados. É o que se aplica também aos jornais.
 
Reportagens bem trabalhadas, que estejam além do factual, do transitório, do momentâneo, apresentam um potencial que pode ser explorado, como segmento específico.  É claro que as grandes reportagens, as matérias impactantes, então, hoje, fora de moda no Brasil. Mas lá fora sobrevivem nos principais jornais. Basta vasculhar a Internet – suprema ironia – que é possível constatar. No futuro, cenário semelhante pode se consolidar no Brasil.
 
É claro que existem os custos, as dificuldades de financiamento, o declínio no nível de leitura, todas essas amarras econômicas e culturais que conhecemos e que desanimam à primeira vista. Mas cultivo certo otimismo, apesar da crise, do rebuliço político e do emedebismo no poder.
 
Enfim, todas essas idas e vindas, esses arrodeios, essa marcha errática do texto – típico daquilo que se vê no impresso – é para registrar que, particularmente, me sinto muito feliz com o retorno da Tribuna Feirense. César Oliveira  e equipe estão de parabéns por essa monumental contribuição à mídia impressa feirense e que esse retorno se consolide como definitivo.


André Pomponet LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje