Tribuna Feirense

  • Facebook
  • Twiiter
  • 55 75 99801 5659
  • Feira de Santana, sábado, 17 de agosto de 2019

Mundo

Assassinato de embaixador mina relações russo-turcas e paz na Síria, diz Putin

20 de dezembro de 2016 | 07h 12
Assassinato de embaixador mina relações russo-turcas e paz na Síria, diz Putin
Foto: Reprodução
O presidente russo, Vladimir Putin, qualificou o assassinato do embaixador russo na Turquia, nesta segunda-feira (19), de "provocação" destinada a minar os laços que eram refeitos entre Moscou e Ancara e aos esforços para solucionar o conflito na Síria.
 
"O crime que foi cometido é, sem sombra de dúvida, uma provocação destinada a perturbar a normalização das relações turco-russas e o processo de paz na Síria", declarou à TV russa.
 
"Só pode haver uma resposta para isto: intensificar a luta contra o terrorismo e os bandidos vão sentir isso", acrescentou Putin, durante um encontro com o chanceler russo e os chefes das agências de Inteligência doméstica e externa.
 
O homem forte do Kremlin disse que Moscou está enviando investigadores a Ancara para averiguar o assassinato depois que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, deu luz verde para tal em um telefonema.
 
"Precisamos saber quem orientou a mão do assassino", declarou o presidente russo.
Um grupo de 18 investigadores, agentes dos serviços secretos e diplomatas russos partiu nesta terça-feira rumo à Turquia para investigar o assassinato.
 
"O grupo operará na Turquia no âmbito da investigação sobre a morte do embaixador da Rússia, Andrei Karlov, em conformidade com o que foi acordado entre os presidentes russo e turco em uma conversa telefônica" mantida na segunda-feira à noite, declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.
 
O embaixador russo, Andrei Karlov, foi morto a tiros nesta segunda durante a inauguração de uma mostra de arte, em Ancara, por um policial turco que gritou "Aleppo" e "Allahu Akbar" (Alá é grande), no que Moscou chamou de um "ato terrorista". O policial turco disse agir como vingança pela tragédia da cidade de Aleppo, prestes a cair nas mãos do regime sírio, apoiado por Moscou.
 
O ataque ocorreu dias depois de protestos na Turquia sobre o envolvimento russo no conflito na Síria, embora Moscou e Ancara agora trabalhem em estreita colaboração para a retirada de civis da cidade de Aleppo.
 
Os ministros das Relações Exteriores e da Defesa de Rússia, Turquia e Irã têm um encontro previsto em Moscou nesta terça-feira (20) para conversas-chave sobre a Síria.


Mundo LEIA TAMBÉM

Charge da Semana

CHARGE DO BOREGA

As mais lidas hoje